Por Ainor Francisco Lotério

No dia 7 de julho de 2018, cooperados de todo o mundo celebrarão o Dia Internacional do Cooperativismo com um tema que está diretamente relacionado a todos os habitantes da terra.

Aliar desenvolvimento com sustentabilidade, fortalecido por princípios e valores só pode levar as comunidades ao progresso, o que sempre foi um primado do cooperativismo de resultado.

Para melhor entendimento da relação que faremos entre Sustentabilidade e Cooperativismo, destacamos o objetivo numero doze (12) da ONU para o mundo, qual seja: “Assegurar padrões de produção e de consumo sustentáveis”. (Confira a íntegra dos ODS acordados)

Podemos aceitar como sendo Sociedades Sustentáveis todas aquelas que utilizam racionalmente os recursos ambientais, promovem os sociais e racionalizam os econômicos, de modo a conduzir o crescimento equilibrado e harmônico da sociedade (e não apenas do mercado). Por sua própria natureza e prática de gestão, as cooperativas atuais cada vez mais desempenham esse papel, ou seja, criam oportunidades e promovem a renda dos associados (fortalecendo o local), atendem ao social (fortalecendo seus laços e gerando riqueza para todos), além de serem controladas pela própria sociedade e suas comunidades locais. Isso tem peso fundamental na formação de lideranças em todos os setores que atual.

Leia + 👨‍🌾👩‍🌾  Cooperativismo com Espírito Familiar: Fortalecendo Gerações

Olhando para dentro das entidades cooperativas e compreendendo o cenário de atuação de cada uma delas e seus associados, abaixo trazemos sete (7) considerações reflexivas sobre alguns pontos do referido Objetivo:

  1. “Alcançar a gestão sustentável e o uso eficiente dos recursos naturais”: imaginemos isso no sentido de controlar o desmatamento, despoluir e preservar os rios, recuperar as matas ciliares, adotar práticas conservacionistas tão abandonadas, etc. O que cada cooperativa e produtor estão dispostos a fazer nessa questão, uma vez que tais práticas sempre foram vistas como caras e sem retorno no passado? A resposta pode passar por esse pensamento: toda atividade que agrida o meio ambiente também agride a sociedade, uma vez que é nossa casa comum de moradia e de onde se tira o sustento para toda a humanidade. O cooperativismo tem condições, através da capacitação e conscientização do quadro associado e seus familiares.
  1. “Reduzir pela metade o desperdício de alimentos per capita mundial”: A FAO aponta que cerca de 33% de tudo o que é produzido anualmente no mundo é perdido nos seguintes percentuais: 54% na fase de cultivo, colheita, manipulação, pós-colheita e armazenamento; 46% restantes são perdidos nas etapas de processamento, distribuição e consumo. Aí estão implícitas tarefas importantes não apenas para o campo, quanto para as cidades. As cooperativas de todos os ramos estão espalhadas no campo e na cidade e estão preocupadas com isso.
  1. “Alcançar o manejo ambientalmente saudável dos produtos químicos e todos os resíduos”: lamentavelmente, o Brasil é campeão mundial de uso de agrotóxicos. Aqui ainda usamos agrotóxicos que foram proibidos em 1985 na União Europeia (UE), Estados Unidos e Canadá. As cooperativas, através de suas equipes técnicas de campo e da conscientização de seus associados, veem desenvolvendo um trabalho de orientação sobre manejo de pragas e de cultivos, de modo a reduzir custos e evitar agressões ao meio ambiente. Agem também na conscientização e formação dos associados, especialmente agricultores, para que os mesmos não adquiram qualquer no mercado, mas o façam através do crivo da equipe técnica da cooperativa. Desse modo se utiliza apenas o necessário, além de baixar os custos de produção.
  1. “Garantir que as pessoas, em todos os lugares, tenham informação relevante e conscientização para o desenvolvimento sustentável e estilos de vida em harmonia com a natureza”: essa é uma tarefa hercúlea, para não dizer monstruosa num mundo em que as informações nos chegam todas com sentido de prioritárias. 
    Assim, o cooperativismo por agir dentro de princípios e valores, indo da adesão livre ao interesse pela comunidade, não se furta em informar e conscientizar a comunidade sobre a importância e eficácia de todos adotarem 
    um estilo saudável de vida.
  1. “Gerar empregos, promover a cultura e os produtos locais”: num cenário de grande desemprego, principalmente entre os jovens (os quais figuram com índices superiores a 20% na maioria das pesquisas) é uma tarefa fundamental para a sustentabilidade econômica das famílias. Todavia vale ressaltar que as cooperativas não se interessam apenas em promover a empregabilidade, mas, antes de tudo, favorecer o empreendedorismo e a geração de renda para todos os associados e seus familiares. Sabem seus dirigentes que assim estarão promovendo o desenvolvimento do local onde seus associados vivem e trabalham. O próprio cooperativismo tem nos seus princípios a “informação, formação e educação”, o “interesse pela comunidade”, uma vez que “as cooperativas são organizações voluntárias abertas a todas as pessoas aptas a usar seus serviços e dispostas a aceitar as responsabilidades de sócios, sem discriminação social, racial, política ou religiosa e de gênero”. Vale ressaltar que a própria cooperação já é uma cultura e uma filosofia de vida que sempre se antecipou na busca daquilo que é melhor para a sociedade
  1. “Racionalizar (e não subsidiar) o uso de combustíveis fósseis, evitando o consumo exagerado”: nesse ponto temos a polêmica dos combustíveis em nosso país, o que faz com que as cooperativas também busquem e cooperem com as políticas públicas, no sentido da formatação de uma matriz energética mais equilibrada para o Brasil. Isso se dá através da produção de biodiesel (biomassa), energia solar e energia eólica.

  1. NÃO SE FAZ COOPERATIVISMO SEM PRINCÍPIOS E VALORES. Quando se trata de comemorar o Dia Internacional do Cooperativismo sempre temos muito a dizer, especialmente por sua influência decisiva e positiva nas questões ligadas ao desenvolvimento humano, econômico e social. As cooperativas são, por essência, sociedades de pessoas que se sustentam pela justa cooperação. Desde a “Sociedade dos Probos de Rochdale” (Rochdale Quitable Pioneers Society Limited), conhecida como a Primeira Cooperativa Moderna do Mundo, os princípios cooperativistas e seus valores regem a conduta dos associados às cooperativas.  São princípios morais e de conduta que são considerados, até hoje, a base do cooperativismo autêntico. A Cooperação só acontece quando agimos dentro dos sete princípios e dos valores do cooperativismo: que são: Adesão voluntária e livre; Gestão democrática; Participação econômica dos membros; Autonomia e independência; Educação, formação e informação; Intercooperação e Interesse pela comunidade.

Não se faz cooperação “inventando moda” ou fugindo desses pilares. É como diz a música de Cenair Maicá “o que são valores, senhores. São o ouro, teu tesouro, afinal”, a qual você poderá ouvir aqui: 

Um mundo bom não é um mundo bom apenas para mim, mas também par ti, para nós, e isso só acontece quanto cooperamos. 

Veja também um pouco de nosso trabalho dentro do cooperativismo > 💡 Palestra e temas sobre Cooperativismo 

Com metodologia diferenciada pelo domínio de conteúdo, linguagem adequada para cada público e comunicação assertiva, fazemos uso do seu violão cantando algumas músicas que envolvem a todos. Utilizamos de dinâmicas que reforçam o conteúdo apresentado e que torna o momento especial e para ser lembrado com positividade.

Confira nosso canal no Youtube, lá você pode assistir vários vídeos sobre Cooperativismo, Agricultura, Sipat, Motivação, Família, Gestão Pública, Educação e muito mais > 📽 Canal Ainor Francisco Lotério