Por Ainor Francisco Lotério

Uma cooperativa vai além dos seus muros, escritórios e galpões.

O sucesso do movimento cooperativista está associado com o seguinte modelo: uma sociedade de pessoas que adota valores e princípios. Promove o bem do indivíduo e da comunidade onde ele se estabeleceu. Nesse sentido, o cooperativismo une as forças das pessoas com as do capital, de maneira democrática, social, solidária e empreendedora. Buscando assim, trazer resultados positivos para todos.

Também existem maus exemplos, quando cooperativas quebram por má gestão, falta de transparência e desonestidade. Aliás, onde o ser humano atua, tanto as soluções quanto os problemas podem aparecer. Só não aparecem problemas, mas sobejam soluções, onde se atua de maneira definitiva e constante dentro dos 7 princípios e valores cooperativistas, e respeitando os estatutos.

Veja também Cooperativismo: na base dos seus princípios estão os seus valores

Onde está o sucesso de uma cooperativa?

O sucesso de uma cooperativa não está em apenas seguir cegamente os princípios cooperativistas, é fundamental  compreendermos toda a sua extensão. Aliás, temos muitos dirigentes que ainda não apreenderam todos os princípios e valores. E se não leram e nem refletiram sobre os “mandamentos” cooperativistas, como poderão aplica-los no seu próprio proceder? Isso é importantíssimo para conselheiros, conselheiras, líderes e dirigentes, os quais aderem de participar democraticamente (de acordo com os princípios 2º, 3º e 4º).

Além de ser imprescindível para cada associado, conhecer e saber aplicar os princípios e valores cooperativistas facilita a incumbência assumida (princípio 1º). Atuando dessa forma, junto ao quadro social na atividade de analisar o proceder dos outros associados e a total governança. Nesse sentido, fiscalizar as ações de uma cooperativa consiste em prestar atenção na sua conformidade com os princípios e valores.

Uma cooperativa pode apresentar números favoráveis no seu balanço. Porém, uma análise mais acurada pode apontar discrepâncias no seu programa de “catequese cooperativista”. A organização cooperativa pode estar falhando na educação, formação e informação dos seus associados e familiares, conforme está escrito no 5º princípio.

Confira Palestra em parceria com o Sicoob Coopercred: O verdadeiro lucro está na cooperação

Qual a importância da comunidade para a cooperativa?

Além dos sócios, a comunidade no entorno da cooperativa precisa sentir a sua presença e seus benefícios. Uma cooperativa é de toda a sociedade vizinha.  Pois é no seio dela que estão estabelecidos os seus empreendimentos e realizados os seus negócios.

Assim, vê-se claramente que o respeito às pessoas e ao meio ambiente devem se tornar valores fundamentais. A prestação de auxílios a entidades também pode se estender aos mais necessitados, que podem ser ou não associados, como é o caso do Dia C. Normalmente, isso consome poucos recursos e gera grande retorno em simpatia e até financeiro para a cooperativa.

Como se vê, uma cooperativa vai muito além dos seus muros, escritórios e galpões, pois não é uma sociedade fechada. Toda cooperativa deve se notabilizar como uma cooperadora e simpática entidade para com a sua comunidade. Isso está claro e evidente no 7º princípio, interesse pela comunidade.