O professor Ainor Francisco iniciou a palestra evocando as quatro orientações fundamentais para um desisolamento saudável: 

1.O dever da identidade (eu)… Um dever afeto a cada um, o qual deve dizer ao mundo quem é, o que quer, de onde vem, onde está e para onde vai.

2.A coragem da alteridade (o outro) … Não se é por si unicamente, mas em relação e por reflexão ao outro, pois sem o outro nada podemos demonstrar ou mostrar. Nossa vida é feita para servir e educação é um serviço à comunidade, portanto aos outros.

3.A sinceridade das intenções (mente) … Nada do que camuflado e de má intenção pode vigorar às claras. No mundo da educação as intenções devem ser aclaradas, de modo que aumente a confiança entre educandos e educados, pois sem esse viés não haverá transformação radical (racional, física e espiritual).

4.As atitudes voluntárias (coração)… Um educador deve ter a voluntariedade dum coração, um órgão que já para em favor de todos os órgãos do corpo, assim como a educação o é para todo o organismo social.

Nessa partilha de dons e qualidades um se beneficia do outro sem perder sua identidade.

Várias mensagens em diapositivos e fotos demonstram a seguir a tônica da palestra, a qual contou com a presença de professores que se resguardavam da pandemia de Covid-19, porém com firme interesse de retornarem às atividades social e pedagógicas no ambiente escolar.