logo ainor site

Palestra: COOPERATIVISMO: UM MOVIMENTO ORGÂNICO QUE GERA VIDA FORTE! (Feira de Negócios Agropecuários da COOPERCAMPI)

COOPERATIVISMO: UM MOVIMENTO ORGÂNICO QUE GERA VIDA FORTE!

Palestra ministrada durante a    — Feira de Negócios Agropecuários da COOPERCAMPI.  Ele é engenheiro-agrônomo, filósofo, teólogo e especialista experiente em cooperativismo, tem sido cada vez mais requisitado para eventos que promovem o desenvolvimento do cooperativismo e do setor agropecuário. Sua trajetória exemplar e seu conhecimento profundo fazem dele uma figura central nessas discussões, ajudando a orientar e motivar líderes e empreendedores do setor.

Ainor Lotério iniciou por apresente o “conceito coop” que diz: O cooperativismo é um movimento internacional que visa constituir para uma sociedade justa, livre e fraterna, em bases democráticas. Por meio de empreendimentos que atendem às necessidades reais dos cooperados e remuneram adequadamente cada um deles, o cooperativismo se destaca como uma força vital na manutenção e aceleração das ações cooperativas.

“Lotério não apenas discute teorias, mas traz consigo uma vasta experiência prática, enriquecida por sua atuação direta com cooperativas e produtores rurais. Ele compartilha percepções valiosos sobre como as cooperativas podem se fortalecer como movimento organizado, gerando impactos positivos que transcendem o aspecto econômico, alcançando também o social e o ambiental. Sua abordagem vai além do discurso acadêmico, oferecendo soluções concretas para os desafios enfrentados pelas cooperativas no cenário atual.”, comenta Elton José de Oliveira, Presidente da COOPERCAMPI

A 5ª FENACAMPI, realizada em Campinorte–GO, no Galpão de Fábrica de Ração da Cooperativa Regional Agropecuária de Campinorte–GO, com o apoio do Sistema OCB/GO, SEBRAE, SENAR/Sindicato Rural de Campinorte, não só proporcionou um espaço para networking e negócios, mas também foi uma oportunidade única para os participantes se atualizarem com as mais recentes técnicas e tecnologias do agronegócio. As oficinas e palestras oferecidas durante o evento abordaram temas cruciais como gestão sustentável, inovação tecnológica, e práticas agrícolas avançadas, beneficiando diretamente produtores rurais e cooperativas que buscam aprimorar sua eficiência e competitividade no mercado atual.

Resumindo os tópicos da apresentação, o palestrante e estudioso do cooperativismo fez menção à força do Cooperativismo, visto como questão de adaptabilidade e resiliência, unidade e harmonia e gerador de impacto duradouro, como a seguir expressa:

a) “O conceito de cooperação é uma força que gera e mantém a velocidade da ação nas cooperativas. Acreditar, negociar e participar ativamente da cooperativa são passos fundamentais para o nosso crescimento coletivo. Unidos, podemos fortalecer o cooperativismo e garantir um futuro de sucesso para todos nós. Comprar e vender em conjunto permite contornar os efeitos nocivos do comércio sobre aqueles em condições inferiores, promovendo um ambiente mais justo e igualitário.”

b) “A força do cooperativismo está na sua capacidade de adaptação às mudanças, como destacou Charles Darwin: “As espécies que sobrevivem não são as espécies mais fortes, nem as mais inteligentes, e sim aquelas que se adaptam melhor às mudanças”. Essa adaptação é essencial para a sobrevivência e o crescimento das cooperativas. O conceito de “vida forte” não depende do porte, mas sim da capacidade de adaptação e resiliência. Existir é lutar, e viver é vencer, refletindo a essência da vida cooperativa.

c) “O termo ‘orgânico’ no contexto do cooperativismo representa mais do que apenas práticas sem agrotóxicos ou fertilizantes. Refere-se a um movimento que é próprio de organismos vivos, que cresce e se desenvolve de forma natural e sustentável. A vida orgânica da cooperativa se manifesta em suas ações voluntárias e na conexão genuína entre seus membros, resultando em harmonia. Portanto, cooperados, uni-vos! Fortalecei vossa cooperativa! Construam um futuro próspero e mostrem ao mundo a força do cooperativismo.”

d) “Abraçados, lado a lado, na mesma causa, conseguimos criar um impacto duradouro e positivo em nossas comunidades. O cooperativismo é mais do que um sistema econômico; é um movimento orgânico que gera vida forte e sustentável. Juntos, podemos enfrentar os desafios e transformar o mundo através da cooperação. Vida forte não depende do porte, mas sim da união e do esforço coletivo de cada cooperado.”

Palestra: “Qualidade de Vida da Pessoa Idosa 60+: Mente e Corpo em Equilíbrio (com as Sete Direções)”

O “Encontro SESC 60+: Promovendo Qualidade de Vida e Equilíbrio para a Terceira Idade com Palestra Exclusiva de Ainor Francisco Lotério!”

Realizado em Matinhos, Paraná, é mais do que um evento, é uma celebração da vida e da experiência. Organizado pelo SESC-PR, esse encontro anual reúne pessoas idosas de diversas cidades do Paraná para compartilhar momentos de convivência, interação e aprendizado. Como destaque deste ano, o renomado palestrante Ainor Francisco Lotério apresentou uma palestra exclusiva sobre “Qualidade de Vida da Pessoa Idosa 60+: Mente e Corpo em Equilíbrio (com as Sete Direções)”. Lotério, conhecido por encantar o público com suas palestras inspiradoras e musicadas.
Já foi palestrante em edições anteriores deste grandioso evento, sendo aguardado com grande expectativa pelos participantes. Este encontro é o ponto alto de uma série de atividades realizadas diariamente, proporcionando aos idosos momentos enriquecedores e significativos para uma vida plena e saudável.

Na busca pela felicidade e pelo bem-estar na terceira idade, podemos nos inspirar no modelo holístico das Sete Direções, que oferece um caminho para o equilíbrio integral. Honrar o passado (atrás de ti) nos convida a reconhecer e valorizar as experiências vividas, transformando memórias em sabedoria e gratidão.

Fortalecer relações sociais (à direita e à esquerda de ti) é essencial para cultivar conexões significativas com familiares, amigos e comunidade, proporcionando apoio emocional e senso de pertencimento ao longo do caminho da longevidade.

Cuidar da saúde física, mental e espiritual (abaixo, acima e dentro de ti) é uma prioridade constante. Manter uma rotina de exercícios adequados, alimentação balanceada e cuidados médicos é fundamental para promover o bem-estar físico. Ao mesmo tempo, nutrir a espiritualidade e cultivar a paz interior contribuem para uma mente saudável e equilibrada.

Enquanto isso, manter a criatividade e objetivos (À frente de ti) mantém a chama da vitalidade acesa. Explorar passatempos, aprender novas habilidades e definir metas pessoais ajuda a manter a mente ativa e a alimentar o espírito de conquista, renovando constantemente o sentido e a motivação na jornada da vida.

Ao adotarmos esse modelo holístico, integrando todas as dimensões do ser humano, podemos encontrar um equilíbrio verdadeiro e duradouro, construindo uma terceira idade repleta de significado, realização e felicidade.

A qualidade de vida na terceira idade é vital para uma vivência plena, saudável e feliz dos anos dourados, abrangendo aspectos físicos, mentais, emocionais e sociais. Benefícios incluem saúde física, prevenindo doenças crônicas, e saúde mental, evitando depressão e ansiedade.

Manter autonomia e independência é crucial, assim como fortalecer laços sociais para combater a solidão. Ter propósito de vida, com objetivos e projetos, é essencial. Promover a qualidade de vida envolve cuidados físicos, estimulação mental, interação social, propósito de vida, cuidados mentais e adaptação do ambiente. É um direito e um investimento no futuro de uma sociedade inclusiva e feliz.

 
 

Curso de LCO-Linguagem, Comunicação e Oratória Celebrativa (Ribeirão Matilde, Atalanta-SC)

Curso de Linguagem, Comunicação e Oratória Celebrativa Fortalece a Vivência da Fé em Ribeirão Matilde.

A Comunidade Católica Santa Terezinha do Menino Jesus, localizada em Ribeirão Matilde, Atalanta–SC, promoveu um curso inovador voltado para fortalecer a comunicação durante as celebrações cristãs. Ministrado pelo renomado comunicador Ainor Francisco Lotério, o curso teve como objetivo capacitar os participantes a transmitir a Palavra de Deus de forma clara e impactante.

Dividido em quatro módulos, o curso combinou teoria e prática em oito horas de duração. Os participantes aprenderam técnicas de expressão oral, orientações espirituais, a arte da leitura em celebrações, e a importância da clareza e simplicidade na comunicação litúrgica.

Além disso, o conteúdo do curso foi adaptado para refletir a composição da comunidade, considerando sua fundação, número de fiéis, origens étnicas e faixa etária dos participantes, proporcionando uma abordagem personalizada e relevante.

Durante o curso, foram discutidos os desafios enfrentados pelas equipes de liturgia, leitores e coordenadores, sendo exploradas maneiras práticas de superá-los. Os participantes receberam materiais físicos e digitais sobre o tema, além de uma lista de referências e fontes.

A iniciativa não apenas fortaleceu as celebrações cristãs na comunidade, mas também beneficiou os participantes individualmente, contribuindo para o crescimento espiritual e a unidade da comunidade na totalidade. No final do curso, os participantes receberam certificados de participação, reconhecendo seu empenho e dedicação na busca pela excelência na comunicação e oratória celebrativa.

A leitura durante celebrações e missas desempenha um papel crucial na transmissão das Sagradas Escrituras e na comunicação da mensagem religiosa aos fiéis. Aqui estão alguns conselhos e instruções sobre a arte da leitura em celebrações e missas. Por essa razão destacamos alguns CONSELHOS E INSTRUÇÕES SOBRE A ARTE DA LEITURA EM CELEBRAÇÕES E MISSAS repassados aos participantes:

  1. Preparação Adequada: processo de se organizar, pesquisar e praticar antes de comunicar.
    — Antes da celebração, reserve um tempo para ler e compreender completamente o texto que será lido.

    — Pratique a leitura em voz alta várias vezes para se familiarizar com o ritmo, entonação e pronúncia correta das palavras.
  2. Respeito e Reverência: cortesia e apreciação pela dignidade e sensibilidade dos ouvintes.
    — Aborde a leitura com respeito e reverência, reconhecendo a importância das Sagradas Escrituras na vida espiritual dos fiéis.

    — Mantenha uma postura reverente e uma expressão facial calma e serena durante a leitura.
  3. Clareza e Entonação: pronúncia precisa das palavras e frases.
    — Leia o texto com clareza e articulação, garantindo que cada palavra seja compreendida pelos ouvintes.
    — Varie a entonação conforme o conteúdo do texto, destacando passagens importantes e transmitindo emoção quando apropriado.
  4. Pausas Significativas: intervalos deliberados e estratégicos durante a comunicação oral
    — Faça pausas adequadas nos lugares certos do texto para permitir que os fiéis assimilem o significado das palavras e reflitam sobre sua mensagem.

    — Evite ler muito rápido ou de forma monótona, pois isso pode dificultar a compreensão e o impacto do texto.
  5. Evite Distrações: minimizar ou eliminar elementos que desviem a atenção do público.
    — Elimine qualquer distração que interfira na leitura, como movimentos desnecessários ou ruídos de fundo, mantendo o contato visual com o povo.

    — Mantenha o foco no texto e no seu significado, evitando distrações externas que prejudiquem a comunicação da mensagem.
  6. Atenção à Pronúncia e Dicção: qualidade e clareza com que as palavras são articuladas e pronunciadas durante a fala.
    — Certifique-se de pronunciar corretamente cada palavra, especialmente os nomes próprios e termos específicos das Escrituras.

    — Preste atenção à dicção, evitando mumbling (falar de forma ininteligível, resmungando) ou falar rápido demais.
  7. Espírito de Serviço: colocar o interesse do público em primeiro lugar — disposição para servir.
    — Encare a leitura como um serviço à comunidade, contribuindo para a edificação espiritual dos fiéis por meio da Palavra de Deus.

    — Esteja disposto a se colocar à disposição para realizar a leitura sempre que necessário, demonstrando um espírito de serviço e dedicação à comunidade de fé.

“Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra.” (2 Tm 3, 16–17).

Seguindo esses conselhos e instruções, os leitores podem desempenhar um papel significativo na transmissão da Palavra de Deus durante as Missas e Celebrações, contribuindo para a experiência espiritual dos fiéis e promovendo uma compreensão mais profunda das Sagradas Escrituras.

Sugestões de bibliografia:
— A Arte da Leitura na Liturgia (2017) — Padre José Antonio dos Santos.
— Ler a Bíblia com o Coração: subsídios para a leitura orante da Palavra de Deus(2016)-Dom Luiz Gonzaga Fernandes
— Proclamar a Palavra: reflexões sobre a leitura das leituras bíblicas na liturgia (2004)-Dom Dilton Gonçalves dos Santos.

Iº ENCONTRO DE EDUCADORES CATÓLICOS – Testemunho na Profissão e Missão Contemporânica de Educar (Arquidiocese de Florianópolis-SC)

“O encontro de educadores católicos é o pulsar de uma missão sagrada, onde a luz da fé e o compromisso com a educação se encontram para moldar mentes e corações rumo à verdade e ao amor incondicional.” (Diácono Ainor Francisco Lotério).

O Primeiro Encontro de Educadores Católicos da Região Norte, em Santa Catarina, destacou o testemunho vivo da fé católica na profissão, visando gerar consciência entre os professores, para que se tornem comprometidos com a construção de um mundo mais justo e solidário. 

No auditório da Paróquia São Luís Gonzaga, em Brusque, Santa Catarina, o 1º Encontro de Educadores Católicos da região Norte, pertencente à Arquidiocese de Florianópolis, foi palco de intensos debates sobre a vocação e a coerência cristã no exercício da profissão docente. Sob o tema “Professores Católicos: Testemunho na Profissão”, o evento reuniu educadores das foranias de Brusque, Tijucas, Itapema, Camboriú e Itajaí.

Tópicos que tocaram à mente e ao coração dos educadores presentes:
— professores e educadores precisam estar envolvidos com a mística da esperança;
— avalia-te: como te percebes? Como os outros te percebem como educador cristão?;
— o Evangelho não pode ser institucionalizado na instituição religiosa, pois Ele a extrapola.
— nossa Igreja é o espaço da nossa fé, mas como está sendo a nossa presença cristã na escola em que atuamos?;
— o Evangelho é a nossa busca e a abertura à transcendência, uma fraternidade integral baseada no amor pregado e vivido por Jesus Cristo;
— a realidade da educação deve trabalhar com que está acima da ideia, mas do fortalecimento dos seres humanos que desejam conhecer para além daqui.

“Pelo que nos trazem os estudos de teologia, Jesus, como educador, demonstrava uma abordagem única em suas relações pessoais e sociais. Ele utilizava parábolas (narração alegórica na qual o conjunto dos elementos evoca, por comparação, outras realidades de ordem superior).

Os recursos que Jesus utilizava incluíam métodos de ensino oral, storytelling e a prática de ensinar por meio de experiências concretas, como seus milagres e interações diretas com as pessoas. Ele adaptava seu ensino ao contexto e às necessidades de seus ouvintes, usando linguagem simples e imagens familiares.

O Mestre da Pedagogia do Amor, por excelência, ensinava por meio de parábolas, transmitindo lições de vida e sabedoria espiritual. Na parábola dos talentos (Mateus 25:14-30), ele ilustrou a importância de utilizar os dons e habilidades que Deus nos concedeu. A parábola da árvore que não dá frutos (Lucas 13:6-9) ressalta a necessidade de produtividade espiritual. O semeador (Mateus 13:1-23) exemplifica a variedade de respostas das pessoas à mensagem divina. Na parábola da ovelha perdida (Lucas 15:3-7), Jesus revela o amor e a misericórdia de Deus ao buscar aqueles que se desviaram. E nos trabalhadores da vinha (Mateus 20:1-16), ele ensina sobre a justiça e generosidade de Deus, independentemente do momento em que se começa a servir. Essas parábolas não apenas instruem sobre aspectos espirituais, mas também oferecem valiosos princípios educacionais, destacando a importância do serviço, da responsabilidade, da perseverança e do amor ao próximo.

O encontro, marcado pela presença do professor Humberto Silvano Herrera Contreras, membro da Comissão Episcopal Pastoral para a Cultura e Educação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), focou na relevância do papel dos educadores católicos em meio à diversidade religiosa e ao contexto de um Estado laico. A discussão abordou a necessidade de os professores católicos exercerem sua missão de forma inclusiva, promovendo o amor ao conhecimento sem distinção de crenças.

Ao longo da história, a Igreja Católica tem desempenhado um papel significativo na promoção da educação em todo o mundo, criando escolas, universidades e desempenhando um papel fundamental na formação de pessoas. Desde a Idade Média, muitas das primeiras universidades na Europa foram fundadas por instituições religiosas, especialmente pela Igreja Católica. Por exemplo, a Universidade de Bolonha, fundada no século XI, é considerada a mais antiga universidade do mundo em operação contínua.

Além disso, ao longo dos séculos, as ordens religiosas católicas, como os jesuítas, os beneditinos, os dominicanos e outros, estabeleceram escolas e colégios em todo o mundo, desempenhando um papel crucial na educação de crianças e jovens em diversas áreas do conhecimento.

A ênfase da Igreja Católica na educação continua até os dias de hoje, com muitas escolas, universidades e instituições de ensino superior em todo o mundo ainda mantidas pela igreja ou por organizações católicas. Essas instituições frequentemente enfatizam os valores cristãos, juntamente com a excelência acadêmica, e desempenham um papel importante na formação de líderes em várias áreas da sociedade.

A missão da Igreja é estar a serviço dos povos para levá-los ao Cristo e à salvação. Ela é um redil, cuja única e necessária porta é Cristo (cfr. Jo 10,1-10). Tendo presente à concepção bíblica (cfr. Ex 6,7; Rm 11,5) e do Concílio Vaticano II que considerou atentamente a importância da educação na vida do homem e a sua influência crescente no progresso social do nosso tempo, colocando a Igreja como o povo de Deus (LG 9, 10, 13), a comunidade eclesial se situa como a grande impulsionadora na formação dos povos

“A ação pedagógica de Jesus continua relevante hoje, pois ele enfatizava valores universais como amor, compaixão, perdão e justiça. Sua abordagem centrada no aluno, baseada no exemplo e na experiência, ressoa com os princípios da educação contemporânea, que valoriza a aprendizagem significativa, a empatia e o desenvolvimento integral do indivíduo. Assim, a proposta de educação de Jesus serve como um modelo atemporal de ensino que continua a inspirar e orientar educadores em todo o mundo.”, diz o Diác. Ainor Lotério, após também relacionar o que escreveu com a IA-Inteligência Artificial.

Juntos, Educadores e Igreja, podem atuar com seu testemunho e conhecimento na transformação de vidas,  através da: a) formação de cidadãos conscientes, preparando os jovens para serem agentes de transformação social, comprometidos com a construção de um mundo mais justo e solidário;
b) do incentivo ao diálogo inter-religioso e, assim, promovendo o respeito mútuo entre diferentes crenças, construindo pontes para a paz e a compreensão num mundo que precisa se preparar cada vez mais para praticar uma educação inclusiva, incluindo a educação católica;
c) despertar a esperança para o futuro, inspirando a fé nas novas gerações, preparando-as para enfrentar os desafios do mundo com sabedoria, entendimento, solidariedade e amor.

“Valores Cristãos promovem a educação como um processo integral, que visa o desenvolvimento da pessoa humana em sua totalidade, à luz da fé e da ética cristã. Escolas e universidades católicas sempre ofereceram e oferecem ensino de excelência, formando profissionais qualificados e engajados na construção de uma sociedade mais amorosa e solidária em relação à comunidade. Precisamos zelar para que “nosso povo não seja destruído por falta de conhecimento” (Os, 4, 6)'”, diz o Diácono Ainor Francisco Lotério, que também atua como professor, palestrante e consultor educacional.

A questão do Ensino Religioso na sociedade contemporânea, frequentemente envolta em polêmicas, foi analisada à luz das diretrizes da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Os participantes ressaltaram a importância de disseminar informações sobre o tema sem a intenção de doutrinar os alunos, mas sim promover uma formação integral que contempla todas as áreas relevantes para a sociedade.

Uma das questões que mais preocupam é uma educação na fé voltada à Casa Comum, o nosso Planeta Terra, conforme é tratado na Carta Encíclica Laudato Si, estão relatadas no vídeo das Nações Unidas retratando o caminho da extinção adotado pela humanidade intitulado “Não escolha a extinção”.

Conforme orienta a CNBB-Conferência dos Bispos do Brasil, “a educação é primariamente de responsabilidade dos pais, advertindo o eclesiástico: “Dê muito mimo a seu filho, e ele trará surpresas desagradáveis para você; siga os caprichos dele, e ele deixará você triste” (Eclo 30,9); “Corrija seu filho e faça-o responsável, para depois você não tropeçar na insolência dele” (Eclo 30,3). A educação comporta a experiência da disciplina: “Discipline seu filho, pois nisso há esperança; não queira a morte dele” (Pv 19,18).     

 Um dos pontos destacados foi a necessidade de uma educação na fé que considere a preservação da Casa Comum, o planeta Terra, em consonância com os princípios da Carta Encíclica Laudato Si. As discussões também enfatizaram o fortalecimento da educação católica, com a promoção de ações conjuntas entre a CNBB e a Associação Nacional de Educação Católica do Brasil (ANEC), visando a construção de um ambiente educacional rigoroso academicamente e enraizado nos valores católicos.

Portanto, “torna-se particularmente urgente oferecer aos jovens um percurso de formação escolar que não se limite à fruição individualista e instrumental de um serviço apenas em vista de um título que deve ser obtido. Além da aprendizagem dos conhecimentos, é necessário que os estudantes façam uma experiência de forte partilha com os educadores. Para uma realização positiva desta experiência, os educadores devem ser interlocutores afáveis e preparados, capazes de suscitar e orientar as melhores energias dos estudantes para a busca da verdade e do sentido da existência, uma construção positiva de si e da vida no horizonte de uma formação integral. De resto, “não é possível […] uma verdadeira educação: sem a luz da verdade”, conforme está no Documento da Congregação para a Educação Católica para os Seminários e as Instituições de Estudo, onde está ressaltada a frase: “Educar juntos na escola católica missão partilhada de pessoas consagradas e fiéis leigos”, o que faz menção aos educadores que não precisam ser ordenados, mas fiéis da Igreja e servos de Cristo.

O encontro encerrou com uma reflexão sobre o Pacto Educativo Global, iniciativa motivada pelo Papa Francisco em 2022, que busca uma educação mais aberta, inclusiva e capaz de promover a fraternidade humana. Essa ampla aliança educativa aspira formar pessoas maduras, capazes de superar divisões e reconstruir o tecido das relações para uma sociedade mais justa e solidária.

Finalizamos com a parte inicial de uma “Oração do Professor”: Senhor! Deste-me a vocação de ensinar e de ser professor. É meu compromisso educar, comunicar e espalhar sementes, nas salas de aula da escola da vida. Eu te agradeço pela missão que me confiaste e te ofereço os frutos de meu trabalho.” Há tantas outras que podem ser encontradas.’

GALERIA DE FOTOS DO EVENTO

Palestra: “COOPERATIVISMO, Movimento Orgânico Que Gera Vida Forte!” – Escola Nucleada Laudelino Borguesan (Sicoob Crediarauacaria)

“O COOPERATIVISMO É UM MOVIMENTO ORGÂNICO QUE GERA VIDA FORTE OU INCITA UMA VIDA FORTALECIDA”, afirmou o prof. Ainor Lotério, entre tantos professores, pais, gestores públicos e colaboradores cooperativistas na abertura da palestra.

A PALESTRA, SOLICITADA PELA SICOOB CREDIARAUCARIA, VERSOU SOBRE COOPERATIVISMO NA ESCOLA NUCLEADA LAUDELINO BORGUEZAN, SANTO ANTÔNIO, URUBICI-SC. A participação da comunidade escolar foi efetiva, tendo a escola realizado excelente mobilização, uma vez que vem trabalhando a educação cooperativista em sala de aula. Foi um sucesso de público e participação, tanto de pessoas quanto das instituições. Toda a mobilização foi realizada pela Cooperativa de Crédito Sicoob Crediaraucaria, tendo o apoio forte da Secretaria Municipal da Educação e da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural-Epagri, que atua há décadas em Urubici.

O enfoque dado recaiu sobre a tríade “FAMÍLIA + ESCOLA + COOPERAÇÃO” — “FORTALECIMENTO DO DESENVOLVIMENTO HUMANO E VIDA ENRIQUECIDA”, destacando o “ESPLENDOR DA SOCIEDADE COOPERATIVA NA COMUNIDADE ESCOLAR”.

A Escola Nucleada Laudelino Borguezam (Urubici–SC) vem se notabilizado no quesito ensino de qualidade, chamando a atenção não apenas no âmbito municipal, mas estadual e nacional. Pais, professores, gestores e parceiros se envolvem com afinco, realmente transformando o ambiente escolar”, disse o palestrante da noite, Ainor Francisco Lotério, que também foi extensionista, professor e gestor público municipal.

Assunto que já vem agradando à comunidade escolar é a implantação da Cooperativa Mirim, conforme a legislação, tem uma finalidade educacional, visando desenvolver competências, hábitos e atitudes por meio de práticas pedagógicas que disseminam os princípios do cooperativismo e promovem responsabilidades sociais, morais e coletivas dentro e fora do ambiente escolar.

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A NUCLEAÇÃO ESCOLAR: A organização do ensino no meio rural, por meio de escolas-núcleo, oferece vantagens significativas, incluindo melhorias no processo educativo, apoio e valorização dos alunos e seus familiares, fortalecimento do ensino-aprendizagem pela inteligência cooperativa, gestão participativa da escola, identificação de valores e necessidades próprios do campo, contribuição para a qualidade do ensino oferecido e dinamização do ambiente comunitário e familiar.    

O CONTEÚDO E ESTRATÉGIA DE APRESENTAÇÃO E ENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE ESCOLAR E ENTIDADES PARCEIRAS COOPERATIVISTAS PASSOU PELOS SEGUINTES PONTOS:

A luminosidade de uma sociedade cooperativa no seio da comunidade escolar;

O Cooperativismo como que abrange as parcerias estabelecidas no ambiente escolar, com participação do serviço de extensão rural (Epagri) e a promoção da educação (Secretaria Municipal de Educação de Urubici) cooperativista empreendedora (Sicoob Crediaraucaria);

Visou reconhecer a importância da organização do ensino no meio rural, em escolas-núcleo, em oposição às escolas multisseriadas, fornecendo apoio técnico, educacional e financeiro, e fomentando a doutrina e educação cooperativista entre os alunos;

Abordou melhorias no processo educativo, o apoio e valorização dos alunos e seus familiares, o fortalecimento do ensino-aprendizagem pela inteligência cooperativa, a gestão participativa da escola, a identificação de valores e necessidades específicas do campo, a contribuição para a qualidade do ensino oferecido, e a dinamização do ambiente comunitário e familiar.

OUTRO PONTO FORTEMENTE DESENVOLVENDO FOI O QUE RELACIONOU O PROJETO AOS VALORES DE COOPERAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA EDUCAÇÃO ESCOLAR.

Desse modo, demonstrou-se que “o Cooperativismo é um movimento global que visa estabelecer uma sociedade justa, livre e fraterna, por meio de empreendimentos que atendam às necessidades reais dos cooperados e remunerem adequadamente a cada um deles” (OCB).

A origem e essência do Cooperativismo remontam a uma comunidade remota da vida rural inglesa, os “rochadelianos”. Neste contexto, a escola se estende no universo comunitário e vice-versa, estabelecendo uma aliança para o desenvolvimento. A participação efetiva e prática, aliada à conscientização, é essencial para a vida plena, como exemplificado pelo processo de compostagem e produção de sabão caseiro a partir de recursos locais. Estas práticas não apenas resolvem problemas, como transformam resíduos em recursos úteis, elevando as consciências para a sustentabilidade.

Por meio do “Programa Aprender Valor” (Banco Central), que visa promover educação financeira em escolas públicas, os alunos podem adquirir insumos e aumentar a produção dos projetos desenvolvidos na escola, estendendo assim os benefícios para suas famílias e comunidade.

GALERIA DE FOTOS DO EVENTO

Palestra no ACAMPAMENTO DE CASAIS: Conselhos, Dicas e Recomendações para Acampar Bem com Jesus – Pregação no MARÁ CAMP’S


Como promover atualmente a união e o fortalecimento dos relacionamentos de casais e famílias?

O Movimento Mará Camp’s — Acampamento de Casais (coordenado por Leni e Jorge)    desenvolve uma estratégia acolhedora em eventos, os quais já se estabeleceram como um santuário para o fortalecimento da vida dos casais que buscam revitalizar a comunhão conjugal no lar e renovar sua fé. É realizado no campo para dar uma ideia de prática de vida ligada à criação, uma vez que os cristãos são criacionistas. “Àquele que tiver fé como um grão de mostarda, a ele tudo será possível”(Lc 17.6), retrata bem esta associação de motivação humana, fé e natureza. Esta é talvez a mais notável parábola dita por Jesus Cristo, a mais de dois mil anos, para motivar pessoas que escutavam a sua “palestra” e acampavam com ele. Isso está bem retratado na a Agrosofia (https://ainor.com.br/agrosofia-um-novo-jeito-de-motivar-as-pessoas/), mística da vida com base nas forças agronaturais.

Foi nesse ambiente que a Coordenação do Movimento, como já fez outras vezes, convidou Ainor Lotério, que além de palestrante é diácono permanente da igreja católica veja a ordenação aqui: (https://ainor.com.br/amar-e-servir-permanente-a-deus-ainor-loterio-e-ordenado-diacono-pela-igreja-catolica-arquidiocese-de-florianopolis/), para levar ao grupo CONSELHOS, DICAS E RECOMENDAÇÕES PARA ACAMPAR BEM COM JESUS, conforme se seguem: 

Assim iniciou dizendo aos participantes, voluntários dos trabalhos de organização, que “em tempos de distanciamento social, acampar pode ser uma oportunidade incrível e desafiadora de aproveitar uma viagem como sendo o Caminho da Verdade e da Vida. Motivar os viajantes a conhecerem o destino de Jesus Cristo, o Salvador das almas, a aproveitarem ao máximo esse retiro.”

  1. Pesquise bem o seu destino: como estará o tempo, melhores lugares para camping, meio de transporte, as suas necessidades fisiológicas, etc., enfim, como está o trajeto/ (Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai, senão por mim. Se vós me conhecêsseis a mim, também conheceríeis a meu Pai; e já desde agora o conheceis, e o tendes visto. Jo 14, 6-7)
  2. Leve uma barraca adequada: a barraca é o que caracteriza o acampamento, sua montagem, uso e desmontagem (passagem do povo pelo deserto, durante 40 anos, depois da saída da escravidão no Egito (Ex 15,22—40,38).
  3. Leve lanternas: a barraca (normalmente, e nós também) não tem iluminação própria (A tua palavra é lâmpada que ilumina os meus passos e luz que clareia o meu caminho. Sl 119, 105)
  4. Tenha um bom equipamento (casa, saco de dormir, etc.) para dormir: E Jesus disse: “Vinde e vede”. Eles foram e viram onde Jesus estava morando; e ficaram com Ele aquele dia, sendo isso por volta da hora décima. (Jo 1,39). Sua barraca é sua casa!
  5. Planeje suas refeições com antecedência: a infraestrutura será mais simples do que a de uma cozinha doméstica… “Dai-lhes vós mesmos de comer” (Mt 14, 16): o lema da Campanha da Fraternidade 2023. Leve alimentos essenciais durante os passeios.
  6. Leve mochila e roupas adequadas: vestir-se da forma mais adequada possível, calçados confortáveis, casaco impermeável ou uma capa de chuva, equipamentos, pois nunca se sabe quando pode chover. Porém, o Senhor nos orienta: “Não leveis sacolas de viagem, nem uma túnica a mais, segundo par de sandálias ou um cajado; pois digno é o trabalhador do seu sustento.” (Mt 10,10)
  7. Não esqueça itens importantes de cuidado diário: em tempos de doenças epidêmicas leve repelente, protetor solar, protetor labial, remédios, canivetes, garrafas d’água, toalhas, itens de higiene pessoal. “Amados, insisto em que, como estrangeiros e peregrinos no mundo, vocês se abstenham dos desejos carnais que guerreiam contra a alma. Vivam entre os pagãos de maneira exemplar para que, naquilo em que eles os acusam de praticarem o mal, observem as boas obras que vocês praticam e glorifiquem a Deus no dia da sua intervenção.” (1 Pe 2, 9-12)
  8. Respeitem a natureza!: casa comum, nossa responsabilidade (lixo, som, invasão de privacidade, bebida, orações, etc.). É importante que a experiência seja ótima para todos e que ninguém saia prejudicado! Ajam de acordo com o lema da CF2023: “Quero ver o direito brotar como fonte e correr a justiça qual riacho que não seca” (Am 5,24).

     

  9. Solidariedade e ajuda mútua e a amizade social: convivam de modo a despertar a consciência social dos fiéis e promover a transformação da sociedade a partir da vivência dos valores cristãos, pois “Vós sois todos irmãos e irmãs” (Mateus 23,8)/lema da CF2024.

A atmosfera do Mará é impregnada com uma aura de confidencialidade e confiança — “O que acontece no Mará fica no Mará” é mais do que um lema, é um compromisso mútuo de respeitar as experiências íntimas compartilhadas dentro do sagrado espaço familiar. É uma promessa de segurança emocional e espiritual para todos os participantes.

Ao se prepararem para essa jornada, os casais podem esperar imergir em uma experiência acolhedora e transformadora. Sob as estrelas e entre a natureza exuberante, eles são convidados a explorar os fundamentos da fé, da esperança e do amor com espiritualidade profunda. Por meio de atividades dinâmicas, sessões de aconselhamento, momentos de reflexão e oração, eles são guiados a descobrir e fortalecer os laços que os unem.

O amor que permeia o Mará é mais do que simplesmente romântico; é transcendental. É um amor que ultrapassa as barreiras da superficialidade e mergulha nas profundezas do coração, desafiando e transformando vidas. É um amor que reconhece a divindade dentro de cada parceiro, nutrindo não apenas o relacionamento entre eles, mas também sua conexão com o sagrado.

Cada casal que participa do Mará sai enriquecido com uma bagagem renovada de compreensão, perdão e comprometimento. Eles retornam ao mundo com uma nova perspectiva sobre seu relacionamento e uma renovada disposição para enfrentar os desafios juntos, apoiados pela presença do Divino Espírito Santo em suas vidas.

Assim, o Mará Camp’s — Acampamento de Casais — continua a ser um farol de esperança e renovação para aqueles que buscam fortalecer seus laços amorosos e espirituais. É um refúgio onde o amor verdadeiro é celebrado e cultivado, transformando não apenas os relacionamentos, mas também as próprias vidas dos participantes.

O Mará Camp’s — Acampamento de Casais pertence à Paróquia Divino Espírito Santo, de Camboriú, Estado de Santa Catarina.

GALERIA DE FOTOS DO EVENTO

Palestra: A PAZ NA FAMÍLIA E EM CADA UM DE NÓS – “COM TRANSPARÊNCIA, ANDAREMOS NA LUZ DO SENHOR” – Seminário Arquidiocesano do Movimento de Irmãos.

A PAZ NA FAMÍLIA E EM CADA UM DE NÓS – “COM TRANSPARÊNCIA, ANDAREMOS NA LUZ DO SENHOR” – Seminário Arquidiocesano do Movimento de Irmãos.

Foram palestras promovidas pelo Movimento de Irmãos, um movimento de serviço pastoral e prestação de serviços na formação de casais. O que não diz respeito apenas ao “rezar, cantar, refletir, mas ao agir concretamente no seio da comunidade, fazendo um investimento no fortalecimento da relação conjugal, o matrimônio e o convívio familiar.

A PAZ NA FAMÍLIA E EM CADA UM DE NÓS exige transparência e força de vontade para implementar essa verdade na existência cotidiana.

Uma busca nos dicionários sobre a paz nos aponta para a “relação entre pessoas que não estão em conflito; acordo, concórdia, enfim, uma relação tranquila entre cidadãos; ausência de problemas, de violência entre pessoas, famílias, comunidade, nações.”

 

Olhando na grande mídia, vemos as grandes violências urbanas, as guerras, enfim, gente matando gente por razões banais. Um justifica a sua ira, outro não dá explicações e uma série de estudos comentando até com certa normalidade a violência espalhada nas ruas e a falta de paz em toda parte. Para alcançarmos a paz, é melhor começar já no trabalho, na mente, no coração, dentro do lar.

Alcançar a paz no mundo só é possível se todos fizermos a nossa parte pensando no todo, pois só quem pensa no todo produz ações com envergadura maiores que a circunferência do seu umbigo. A paz é uma tarefa de cada um e missão da comunidade, que começa nas atitudes e comportamentos de cada momento vivido.

O objetivo para o Desenvolvimento Sustentável preconiza, segundo os ODS da ONU: Paz, Justiça e Instituições Eficazes que pressupõe, entre outras, as seguintes metas:

  • Reduzir a violência e mortalidade relacionadas.
  • Acabar com abuso, exploração, tráfico e todas as formas de violência contra crianças.
  • Promover o Estado de Direito e garantir a igualdade de acesso à justiça.
  • Diminuir fluxos ilegais financeiros e de armas e combater o crime organizado.
  • Reduzir a corrupção e o suborno em todas as suas formas.
  • Desenvolver instituições eficazes, responsáveis e transparentes – tais como governos, organizações governamentais ou não, instituições sociais ou de solidariedade.
  • Garantir a tomada de decisão responsável, inclusiva, participativa e representativa em todos os níveis.
  • Assegurar o acesso à informação e proteger as liberdades fundamentais.
  • Promover e fazer cumprir leis e políticas não discriminatórias.

O QUE FAZER PARA VIVER A VIRTUDE DA TRANSPARÊNCIA?

Vivemos tempos hodiernos e em cidades grandes, tempos confusos e achismos por toda parte, corações pequenos e compreensões reduzidas pela ansiedade e correrias.

Para se viver com transparência, é necessário compreender o conceito e viver sua prática, pois ser transparente é caminhar com uma virtude que impede a ocultação de alguma vantagem, fraqueza ou miséria pessoal, não exagera, não inventa vantagens e desvantagens. É também a capacidade de nos apresentarmos diante do outro como realmente somos.

Responder a essa questão aos olhos da fé exige um pensamento mais aprofundado do que nas coisas mundanas. Principiamos por uma citação das escrituras sagradas, onde Deus disse: “Das trevas resplandeça a luz”. O que sentimos, e novamente lembro do olhar da fé, é que “Ele mesmo brilhou em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus na face de Cristo”, conforme está citado em 2 Cor 4, 6.

Ser transparente é deixar se ver pela luz da verdade, o que procuramos caracterizar nas telas com gravuras, fotos e textos a seguir:

 

YouTube player
YouTube player

Como cada trabalho nosso é preparado e personalizado de acordo com o perfil do público alvo, tema e objetivos, a fé não foge a essa tríade.

Conheça algumas palestras assemelhadas:

·Preleção – “O PODER DO PERDÃO” – MOVIMENTO DE IRMÃOS – Balneário Camboriú-SC

·Palestra – TODOS IRMÃOS NA CASA COMUM:
ESPIRITUALIDADE SINODAL – Encontrão do Movimento de Irmãos – São José-SC

·Palestra “FAMÍLIA: UM PROJETO DE VIDA A DOIS” – Encontro de Casais do Movimento de Irmãos com Café Romântico – Mirim Doce-SC

·Palestra Cristã para casais do Movimento de Irmãos

·Palestra para Casais no Encontro do Movimento de Irmãos

·Motivação e Fé – Palavra e Direção – Movimento de Irmãos (Camboriú – SC)

·A MORALIDADE DOS ATOS HUMANOS (Movimento de Irmãos de Camboriú)

·Palestra – A RETOMADA DOS COMPROMISSOS COM DEUS E OS IRMÃOS – Reencontrão do Movimento de Irmãos.

·“DE HOJE EM DIANTE SERÁS PESCADOR DE HOMENS!” (Encontro do Movimento Obra Nova Casais – Camboriú-SC)

·Palestra: “Eis que faço novas todas as coisas” – Encontro de Pastoral Familiar e Comunitária- Florianópolis

·Palestra: LIDERANÇA COMO MISSÃO CRISTÃ NO CAMINHO E A CAMINHO.

·Palestra em Encontro Familiar/Cristão: TEMOR DE DEUS COMO UM DOM DO ESPÍRITO SANTO.

·A IMPORTÂNCIA DA ESPIRITUALIDADE NA VIDA DO CASAL (CONJUGAL, PESSOAL E SOCIAL)

·PALESTRA SOBRE A IMPORTÂNCIA DA ESPIRITUALIDADE DO CASAL (CONJUGAL, PESSOAL E SOCIAL)

·Amor e Serviço na Construção da Felicidade (Brusque – SC)

·VIDA A DOIS “O Amor Conjugal Apoiado e Movido pelo Espírito Santo” (Camboriú – SC)

·Palestra Show/Reflexiva “VIVER E BRILHAR” para Mulheres Unidas Batistenses.

·A instituição familiar e a relação humana de familialidade (intimidade, convivência …)

·Relacionamento familiar no mundo moderno pós pandemia (Camboriú-SC)

Conheça o histórico desse esplendoroso movimento e o bem que promove no seio da comunidade não apenas religiosa, mas da sociedade como um todo na postagem Movimento de Irmãos – Histórico – Coordenação Arquidiocesana de Florianópolis.

Palestra: O PAPEL DA FAMÍLIA NO CONTEXTO ATUAL (UM OLHAR PARA A ESCOLA) – Imbuia-SC

  

O evento, organizado pela ESCOLA BASICA MUNICIPAL PROFESSORA UMBELINA LORENZI, em parceria com a Secretaria Municipal da Educação do Município de Imbuia-SC, levou cerca de quatrocentos e cinquenta pais, mães e familiares (450) ao ginásio de esportes da escola.

O palestrante (com carreira fundamentada na área da educação, conforme pode ser conferido em seu portal www.ainor.com.br)” conduziu a Palestra: O PAPEL DA FAMÍLIA NO CONTEXTO ATUAL (UM OLHAR PARA A ESCOLA) duma forma que envolveu, conscientizou e encontou todos os participantes. Percebemos a profunda aceitação durante a palestra, logo na confraternização e isso continuou nos comentários após sua realização. Realmente um grande presente para a comunidade escolar”, disse a Professora Raquel Pavesi Lotério, educadora que sugeriu a vinda de Ainor Francisco Lotério, renomado palestrante, à escola.

YouTube player

O foco central da abordagem foi a relação da família com a escola que é, sem dúvida, um dos temas mais importantes na contemporaneidade junto às unidades de ensino. Sabemos que a família é o principal espaço de referência, proteção e socialização dos indivíduos, independentemente da forma como se apresenta na sociedade, porém não menos importante é a participação da Escola na vida dos filhos e filhas. A família exerce uma grande força na formação de valores culturais, éticos, morais e espirituais, que vêm sendo transmitidos de geração em geração, o que se potencializa quando é feito em cooparação e inteligência coletiva com a escola. 

No transcorrer da palestra pais, professores, gestores e demais presentes foram envolvidos na “roda da apresentação”, que contou com musicalização (quando o palestrante Ainor usou o violão para apresentar o tema em estrofes e refrões ligados ao tema, tendo como base músicas bem conhecidas do público). 

Os valores humanos (amor, empatia, justiça, honestidade, respeito, honra, liberdade, responsabilidade etc.) vivenciados no ambiente familiar contribuem significativamente para a formação do caráter da criança, para a sua socialização e para o aprendizado escolar. Na sociedade atual, cada vez mais deve ser significativa a participação dos pais na formação e na educação de seus filhos, não deixando à escola (unicamente) essa tarefa. Porém, temos observado, e isso é preocupante, que nos últimos anos a família está deixando para a escola a responsabilidade da educação das crianças, não esta havendo de fato, uma integração entre esses dois sistemas no que concernem as tarefas relativas ao aprendizado das crianças. Foi essa questão que, primordialmente, levou os professores e gestores, em contato com a comunidade escolar realizar esss evento/palestra de grande repercussão.

 

 

OS TEMPOS SÃO OUTROS: Linguagem e comunicação na diversidade humana – Motivação e Inteligências Múltiplas/Trabalho em Equipe – Apae Pomerode

OS TEMPOS SÃO OUTROS. QUEM NÃO SE ADEQUAR A LINGUAGEM INCLUSIVA TERÁ SÉRIAS DIFICULDADES NO MOMENTO DE TRABALHAR COM PESSOAS/EQUIPES.

Aprender uma nova linguagem para esses tempos de diversidade humana, ou seja, da nossa casa comum, é fundamental para o bom convívio em todas as áreas do viver.
Quem não deseja se relacionar bem consigo e com os outros?
– Só os que ainda conservam em suas mentes essa desconsideração para com os atingidos, imaginando que o que vinha sendo utilizado há anos possa continuar em uso. Bom é entendermos que as pessoas ficam enfezadas, opa! essa palavra não serve, pois denota um profundo preconceito para com os escravos que deviam retirar as fezes dos drenos dos fundos das casas e, por essa razão, acabavam sujos de fezes. Que horror!

Foi o que amargamente, mas bem disposto e de modo sincero, aprendi durante a preparação, ministração e avaliação da Palestra Motivação e Inteligências Múltiplas/Trabalho em Equipe – Apae Pomerode (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Pomerode
Entidade Mantenedora do CAESP “Egon Kühn”).

Que providência tomei? Solicitei uma avaliação criteriosa e ao receber o texto fiquei mais preocupado ainda. Em seguida solicitei uma reunião com o mesmo grupo, com aquelas pessoas que me assistiram, as que desejassem estar numa roda de conversa comigo sobre o assunto. Parte do grupo que participou da palestra lá esteve e puderem falar livremente sobre tudo o que houve (insinuações machistas, brincadeiras homofóbicas, ficando também evidente a intolerância religiosa, etarismo, etc.), sem me defender e/ou justificar, mas aprendendo que se fazia necessário me ressignificar, a exemplo do que o grupo postou em sua mensagem. O objetivo foi aproveitar a oportunidade (que poderia ter sido apenas um problema) e aprofundar o tema com esses professores (tornando tudo numa opourtunidade de conhecimento), dirigentes, técnicos e colaboradores dessas instituições de ensino voltadas às pessoa com deficiência.
Agindo assim, muito aprendi com um grupo de professores, dirigentes, servidores e servidoras da APAE – Pomerode-SC. Lá, quando da realização da palestra motivacional sobre inteligências múltiplas, objetivando o bom início do ano, acabei por ofender algumas pessoas pelo uso de expressões “aparentemente inocentes” (Ainor Lotério). 

Mesmo com o ocorrido, o grupo me avaliou positivamente no dia, inclusive enviando mensagens em vídeo, deixando expressa “a oportunidade de aprender conosco, mas também de sentir abertura em oferecer aprendizado”. Esse foi o ponto alto, especialmente celebrado quando conversamos face a face, ouvindo atentamente e aprendendo sobre o novo momento. 

Devemos (é difícil) aprender com os próprios erros e dar liberdade às pessoas da sua família, amigos, círculos de trabalhos, igrejas, eventos e demais momentos sociais para que avaliem seu modo de falar.

Usemos nossas inteligências múltiplas na escolha de palavras e expressões que não sejam preconceituosas, ofensivas a indivíduos ou grupos ou que possam representar atentado à igualdade entre os cidadãos, pois essas palavras e expressões estão sendo repensados e banidos do nosso vocabulário. De igual modo, a pessoa com deficiência e qualquer outra pessoa tem nome, sobrenome e dignidade a ser respeitada.

YouTube player

As palavras que, no passado, mesmo com duplo sentido, preconceito de qualquer tipo ou por prepotência mesmo eram pronunciadas (ex.: mercado negro, denegrir, criado mudo, inveja branca, opção sexual, etc.), hoje não comunicam mais, só atrapalham o convívio e dificultam o relacionamento humano. E isso faz sentido? Faz e muito. Quem estuda a origem e a intenção de uso dessas palavras, especialmente colocadas em frases e contextos, percebe que a intenção não era (e pior hoje) boa. No mínimo ganharam, ao longo do tempo, um uso mais, digamos, inocente. Contudo, os atingidos com essas palavras e expressões sentem o peso das palavras agora inadequadas (outroras muito utilizadas) e dos ofensivos preconceitos e execráveis humilhações.

“A linguagem inclusiva evita o uso de palavras, termos e expressões que possam reforçar estereótipos, preconceitos ou discriminação. É uma forma de comunicação que busca promover a inclusão e a representatividade de todas as pessoas”, conforme podemos ler no Manual de Comunicação da Secom/Senado Federal.

COM QUEM E COMO PODEMOS APRENDER ESSA NOVA LINGUAGEM INCLUSIVA?

Estudando muito, conversando sem preconceito, com a mente e o coração abertos às pessoas diversas de nós, de modo a não criarmos adversidades, mas aprendermos com a diversidade, pois ela é humana.

Entender que a diversidade já é algo próprio e fortalecedor da natureza, onde uma área de vegetação natural, ou seja, com várias espécies diferentes convivendo na mesma gleba (encosta, baixada ou topo de montanha) é mais resistente às mudanças climáticas que uma área desmatada e cultivada com uma planta só. O fato de ter uma planta só sendo cultivada, isso por razões comerciais, a deixa vulnerável a pragas. O que queremos dizer é que cabeça que se deixa cegar é como uma área pouco natural, sem o conhecimento das raízes diferentes de mais espécies. Isso é como se tivesse uma praga, ou seja, uma forma de pensar ensimesmada, onde o indivíduo se comunica sem empatia, pouco se importando com os sentimentos e a condição dos outros.

 

YouTube player
YouTube player
YouTube player

Palestra Show/Reflexiva “VIVER E BRILHAR” para Mulheres Unidas Batistenses.

YouTube player

Foto: Adriano Campos: @adrianoo_camps

O Primeiro Encontrão das Mulheres Unidas Batistenses: MULHER, UM SER QUE NASCEU PARA BRILHAR, ocorreu na Comunidade Bethânia (inspirada na Bethânia bíblica, olhando para os irmãos, Marta, Maria e Lázaro, a Comunidade nasceu como casa de acolhida dos diversos marginalizados da sociedade que procuram um novo jeito de viver), em São João Batista, Santa Catarina.

Foi aí que encontramos (pedalando uma bicicleta e falando do tema e da ciclomotivação, ou seja, da necessidade de movimento para crescer, evoluir e brilhar na comunidade) centenas de mulheres envolvidas num evento especial, onde toda a diversidade humana, lideranças, entidades (Epagri, Senar-SC/Sind.Rural, Prefeitura Municipal/Fundação Municipal de Cultura e Juvfen) e voluntários deram sua força participativa e apoio na mobilização e no dia do evento.

O tema, levado no grande encontro de mulheres, em São João Batista-SC, serviu para refletir sobre a condição da mulher catarinense, brasileira e alguns aspectos do movimento em favor das mulheres em nível mundial. Sua emancipação, formação, gestão familiar, compreensão a respeito da nossa casa comum, ou seja, o planeta inteiro. 

Foto: Adriano Campos: @adrianoo_camps

Partiu-se do princípio que um ser humano preparado, que despertou sua potencialidade e seus dons, certamente, terá mais condições de viver na sociedade atual que, mesmo tendo ares de tragédia (mudanças climáticas, conflitos mundiais, dificuldade para sustentar os filhos, manter a relação matrimonial/familiar, educar e preparar os filhos e filhas para o mundo novo) é o lugar do nosso viver. Aqueles seres humanos, no caso as mulheres, que descobrirem seu brilho interior irão iluminar seus caminhos, dos filhos e da sociedade. 

Foto: Adriano Campos: @adrianoo_camps

NÃO É POUCA COISA” conciliar a vida pessoal e familiar com a vida profissional: a sociedade moderna espera que além de realizadas profissionalmente, elas sejam boas mães, eficientes no cuidado com a casa, atraentes para seus maridos”, disse Ainor Lotério, o palestrante escolhido para o momento.

QUEM SÃO ESSAS MULHERES QUE: Como peregrinas: participam de tudo…; Moram na terra e são regidos pelo céu…; Ofendidas, perdoam…; Desonradas, honram…; Jamais desistem de educar seus filhos…; Desejam a realização pessoal e profissional…. SÃO AQUELES SERES HUMANOS QUE NASCERAM PARA BRILHAR E NÃO SEREM ABAFADAS PELO MACHISMO, A VIOLÊNCIA, A FALTA DE CONDIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO DOS FILHOS, A FORMAÇÃO PROFISSIONAL E TANTAS NECESSIDADES DE EVOLUÇÃO!

O Brasil está cada vez mais idoso, negro e feminino. São as mulheres, esses seres que saíram do casulo (considerando-se a metamorfose transformadora, com o que ocorre com as borboletas) e tomaram (ou estão tomando) conta do mundo. Esse tomar conta foi feito muito por aparência e um certo “faz de conta” por parte dos homens que comandavam e ainda comandam a maioria das forças vivas da sociedade. No entanto, em dias hodiernos, as mulheres estão conscientes e evoluindo com mais consciência do seu papel na sociedade, compreendendo que o que faziam na família (dentro de casa) não era apenas “esquentar a barriga no fogão e esfriá-la na pia de lavar louça ou no coxo de lavar roupas”, mas um tomar consciência da igualdade (com visão de equidade de gênero) que a sociedade está a exigir. Esse equilíbrio não se fará por imposição, mas em fazer resplandecer o brilho pessoal, interior, dom de cada mulher. 

Mais temas e postagens sobre as mulheres AQUI: https://ainor.com.br/?s=MULHER

Galeria de fotos do evento

Foto: Adriano Campos: @adrianoo_camps
Foto: Adriano Campos: @adrianoo_camps
 
Foto: Adriano Campos: @adrianoo_camps

Galeria de vídeos do evento

YouTube player
 

YouTube player

YouTube player
 

Palestra: “Eis que faço novas todas as coisas” – Encontro de Pastoral Familiar e Comunitária- Florianópolis

Eis que faço novas todas as coisas (Jo 21, 5)” foi o tema apresentado durante o Reencontro do Movimento de Irmãos da Igreja Católica, em Florianópolis-SC. 

Andar numa vida nova é exibir uma nova qualidade de vida.

A renovação em todos os aspectos da nossa vida, as coisas (tudo aquilo que tem certa utilidade para a nossa existência aqui e no além) requerem um querer pensado, discernido, estratégico e com a preocupação em agir no caminho da verdade e da vida.

A referida palestra foi apresentada no encontro anual de formação e encerramento do ano, tendo como objetivo um informar e formar para o agir, baseado na fé e no amor do Mestre Jesus Salvador.

O Movimento de Irmão da Igreja Católica segue o exemplo do Movimento de Irmãos em nível nacional, que teve origem na Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, em Curitiba, no início de 1970, quando foi idealizada uma pastoral como meio de formar uma comunidade de irmãos entre os moradores daquela região. O objetivo com a resolução dos problemas comuns a todos, tentando encontrar uma forma de amenizá-los e, quem sabe, até resolvê-los. Com esse intuito proferimos a palestra “Eis Que Faço Novas Todas as Coisas”. Essa frase é uma declaração cujo significado aponta para o propósito purificador, restaurador e renovador de Deus para o universo e o ser humano. Ter fé é uma questão de atitude, não um mero instrumento cego e descomprometido.

“Podemos formar um exército de reavivamento na fé se formos multiplicadores em nossas comunidades, desde que ajamos como irmãos espirituais (acima de irmão de sangue ou adotivos, mas, indistintamente, seguidores do caminho)” (Diácono Ainor Francisco Lotério, ordenado permanentemente para a diaconia).

O Reencontro do Movimento de Irmãos visa explicitar e vivenciar que a transformação se inicia em nós (em cada um). A partir desse macro (“eis que faço nova todas as coisas”) vamos puxando para outro menor, nossa família, o trabalho, a sociedade etc. 

Finalmente, se assim podemos perguntar em conclusão desse texto: você estará mais preocupado com as coisas de Deus do que com as coisas do mundo e com coisas que são eternas? E com as coisas temporárias e que estão acima? E com coisas que estão na Terra? Pode parecer absurdo para quem tem uma visão apenas existencialista, entretanto faz sentido para quem vive o aqui com um olhar da fé mirando no além eterno.

Aqueles que caminham numa vida nova serão movidos pela Palavra de Deus, não sendo apenas leitores e ouvintes, mas também praticantes da Palavra e Personalidade de Cristo.

Eis a citação integral da perícope donde (Ap 21, 1-5) se retirou o versículo: Então vi novos céus e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia. Vi a Cidade Santa, a nova Jerusalém, que descia dos céus, da parte de Deus, preparada como uma noiva adornada para o seu marido. Ouvi uma forte voz que vinha do trono e dizia: “agora o tabernáculo de Deus está com os homens, com os quais ele viverá. Eles serão os seus povos; o próprio Deus estará com eles e será o seu Deus. Ele enxugará dos seus olhos toda lágrima. Não haverá mais morte, nem tristeza, nem choro, nem dor, pois a antiga ordem já passou”. Aquele que estava assentado no trono disse: Estou fazendo novas todas as coisas!” E acrescentou: “Escreva isto, pois estas palavras são verdadeiras e dignas de confiança“. 

 

 

YouTube player

   

 

Palestra: O PAPEL DA FAMÍLIA NO CONTEXTO ATUAL (UM OLHAR PARA A ESCOLA) – Imbuia-SC

 

Com uma eficaz mobilização por parte da ESCOLA BÁSICA MUNICIPAL PROFESSORA UMBELINA LORENZI e Secretaria de Educação, Cultura e Desporto do Município de Imbuia-SC, mais de quatrocentos pais, mães, educadores e lideranças estiveram presentes na noite da palestras, nas dependências da Escola (ginásio poliesportivo).

O Palestrante e professor Ainor Francisco Lotério (conheça-o melhor em www.ainor.com.br) apresentou de forma descontraída, musicaea e profundamente o tema “O PAPEL DA FAMÍLIA NO CONTEXTO ATUAL (UM OLHAR PARA A ESCOLA)”, evidenciando que este tema nos mostra que a melhor escola é a família e os primeiros professores são os pais. Da concepção ao nascimento, do crescimento à formação para ingressar na sociedade não há instituição que possa superar a família na tarefa de educar.

Filhos não são seres personalizados com problemas e desajustes da relação dos pais e da família, para serem depositados na escola e esta que se vire. Filhos são rebentos de um sonho, seres que vêm ao mundo em busca de evolução. Só que essa evolução não acontece plenamente sem a participação de gente tão importante quanto os pais. Mesmo no caso de pais separados a importância é a mesma, uma vez que pais podem se separar, porém a importância destes na vida dos filhos continua a existir sempre.

“A família não é o único canal pelo qual se pode tratar a questão da socialização, mas é, sem dúvida, um âmbito privilegiado, uma vez que este tende a ser o primeiro grupo responsável pela tarefa socializadora. A família constitui uma das mediações entre o homem e a sociedade. Sob este prisma, a família não só interioriza aspectos ideológicos dominantes na sociedade, como projeta, ainda, em outros grupos os modelos de relação criados e recriados dentro do próprio grupo.”(CARVALHO,M.B.,2006,p.90).

Arrisco a dizer que a educação humana começa em casa e formação social e profissional se dá na escola. Quando os pais não participam efetivamente da vida escolar dos filhos, acabam perdendo a importância e tornam-se impotentes na educação daquele ser que geriram.

A compreensão dos nossos deveres pessoais, familiares, profissionais, sociais e globais está associada a importância que se dá a formação do filho. Nesse sentido, à participação na escola, lugar onde se trabalham conhecimentos, princípios e valores para toda uma vida no mundo todo.

Não há educação e formação de qualidade que edifique e qualifique um cidadão sem a comunhão de esforços entre a família e a escola

Conceber e gestar um filho até seu nascimento é um profundo ato de amor. Todavia, deixar de participar intensamente da vida do filho na escola é uma falta grave.

Imaginemos que a escola fosse o segundo ventre de seu filho e a mãe o primeiro. O ginecologista e demais profissionais da medicina, associados aos familiares e amigos seriam os mestres e professores dos “pais de primeira viagem”. Assim também na escola os gestores, professores, servidores e os outros pais seriam de igual forma os mestres e professores dos filhos que lá estão oficialmente matriculados.

A vida escolar é importante demais para que os filhos não receberem a atenção qualificada e dedicada dos pais. O nível de participação em reuniões, visitas à escola, conversas inteligentes, diálogos intergeracionais, discussões interdisciplinares e respeitosas com a direção e professores são meios de se fazer construir um ambiente escolar edificador de seres humanos realizados.

 
 
 

Galeria de fotos do evento