fbpx
Ainor Francisco Lotério
O palestrante da mente e do coração

👨‍🌾👩‍🌾 COOPERATIVISMO COM ESPÍRITO FAMILIAR: FORTALECENDO GERAÇÕES

Ainor Francisco Lotério Qual a relação do Cooperativismo com a Agricultura Familiar? As grandes transformações na vida do campo enfraqueceram a Agricultura Familiar?  Aração com tração animal. Família e cooperativismo caminham juntos desde o início. Lembro-me dos tempos de criança, quando meu pai saia pelos campos convidando os agricultores para fundar uma cooperativa. Éramos uma família numerosa em casa, onze filhos e nossos pais, como era frequente na Região do Alto Vale do Itajaí, SC. Era comum famílias com muitos filhos para “trabalhar na roça”. Com cinco anos eu já conduzia cavalos e bois, os quais tracionavam implementos...

Leia mais

Ainor Francisco Lotério

Qual a relação do Cooperativismo com a Agricultura Familiar? As grandes transformações na vida do campo enfraqueceram a Agricultura Familiar? 

Aração com tração animal.

Família e cooperativismo caminham juntos desde o início. Lembro-me dos tempos de criança, quando meu pai saia pelos campos convidando os agricultores para fundar uma cooperativa. Éramos uma família numerosa em casa, onze filhos e nossos pais, como era frequente na Região do Alto Vale do Itajaí, SC. Era comum famílias com muitos filhos para “trabalhar na roça”. Com cinco anos eu já conduzia cavalos e bois, os quais tracionavam implementos agrícola de preparo e cultivo do solo, transporte de insumos e produção agrícola (confira os  vídeos: 🐎 aração com tração animal 👨🏼‍🌾 carpideira com tração animal).

Pois bem, meus caros leitores, foi naquele tempo que muitas cooperativas surgiram. As comunidades eram mais fortes e unidas, uma vez que todos dependiam do trabalho no campo e inclusive plantavam as lavouras trocando dias de serviço (um ajudava o outro no momento do plantio, capina e colheita) ou faziam um mutirão (para ajudar um agricultor em dificuldade). Veja + 👩🏼‍🌾 Mutirão onde os agricultores trabalhavam cantando.

A família, assim como a cooperativa, não são entidades para se realizar festinhas ou existentes para beneficiar um determinado membro ou poucos dos seus componentes. Tanto uma quanto a outra só funcionam bem quando há intensa participação de todos, além de plena justiça e igualdade de condições em tudo o que é feito.

Uma família e uma cooperativa não se regulam apenas pelas leis do mercado, mas pelas relações humanas que fortalecem uma sociedade, pois a sociedade de pessoas é maior do que o mercado, que pode ser excludente nalgumas situações. Isso não quer dizer que a cooperativa seja uma entidade assistencialista, pois a mesma tem obrigações diretas apenas para com os seus associados que cumprirem seus compromissos estatutários. Senão vejamos em sua definição que diz: “a cooperativa é uma organização de pessoas unidas pela cooperação e ajuda mútua, com objetivos econômicos e sociais”. Veja esse vídeo de uma palestra que proferimos sobre Cooperativismo e Família para uma grande plateia: 

Tecnicamente, a Cooperativa é uma organização constituída por membros de determinado grupo econômico ou social que objetiva desempenhar, em benefício comum, determinada atividade (produção de bens e serviços). As premissas do cooperativismo são: identidade de propósitos e interesses; ação conjunta, voluntária e objetiva para coordenação de contribuição e serviços; obtenção de resultado útil e comum a todos. O certo é que cooperar precisa também ser um bom negócio, além de aprimorar os laços sociais e comunitários.  Você pode conferir no link do vídeo a seguir falamos de modo bem autêntico  sobre o Cooperativismo, a Cooperativa e seus Ramos.

Uma cooperativa não existe para beneficiar um determinado grupinho de pessoas, mas para beneficiar a comunidade de associados sem distinção, pois a mesma é uma sociedade de pessoas com os mesmos direitos e deveres.  Logo entendemos que essas pessoas têm suas origens numa célula social intitulada família, a qual tem uma função e responsabilidade com a comunidade onde está situada.

A família é um agrupamento humano formado por indivíduos com ancestrais em comum, ou ligados por laços afetivos e que, geralmente, vivem numa mesma casa. A família representa um grupo social primário que influencia e é influenciado por outras pessoas e instituições, além de se constituir numa unidade básica da sociedade, portanto formadora de comunidades. Uma família ajustada e harmônica é sinônima de felicidade para seus membros.

Leia + 👇
Trajetória Cooperativista do Professor Ainor 
Ainor Lotério e a Agricultura Familiar

Família, comunidade e cooperativismo têm intima relação. Os próprios princípios cooperativistas se iniciam pela adesão livre do individuo singular (vindo de uma família), indo ao interesse pela comunidade, o sétimo princípio. Isso nos leva a deduzir que o cooperativismo deve se iniciar no seio do lar e se fortalecer a partir daí.

É no seio das famílias que se inicia o compartilhamento de tarefas, a solidariedade, a livre adesão e o comprometimento com o outro. Nas decisões democráticas e amorosas, o interesse em aprender e ensinar e a vivência em comunidade toma corpo e se desenvolve. No caso das propriedades agrícolas menores, uma atividade eminentemente familiar, a atitude voluntária cooperativa é que faz a família se dar bem na atividade. Não basta trabalhar e produzir se os produtores não se unirem em cooperação.

Por outro lado, as cooperativas se fortalecem realizando eventos que congregam os associados, seus familiares, dirigentes e colaboradores.

O cooperativismo se fortalece no seio do lar quando se mostra acolhedor das famílias. E nos tempos atuais de famílias pouco numerosas, onde os pais procuram dar aos filhos tudo aquilo que não tiveram, os mesmo podem se tornar um tanto egoístas.

Com esse espírito familiar acolhedor em ação, a importância do cooperativismo passa a ser sentido a partir do seio do lar, de modo que possa incentivar aí o surgimento de novos sucessores para o agronegócio e também novos sócios.

O cooperativismo precisa ser encarado sob a tríade da filosofia, da atitude voluntária e da sociedade de pessoas. Ter disposição e boa vontade é importante para uma pessoa viver em sociedade, porém não é tudo. Necessário se faz que o indivíduo entenda o que venha a ser o cooperativismo na sua essência, de acordo com os princípios de probidade, lealdade e solidariedade, como surgido em Rochdale, na Inglaterra no início do século dezenove.

Quem vive o cooperativismo desde o seio de sua família tem mais facilidade de compreender e viver esse movimento social e econômico, que visa buscar resultados positivos aos seus associados. A filosofia de vida, a atitude voluntária e a organização da sociedade só faz fortalecer as famílias e promover o desenvolvimento das propriedades agrícolas, municípios e regiões.  Porém, para que isso aconteça, a família precisa ser participativa e entender a complexidade da entidade cooperativa, pois o dono é o próprio associado.

As novas gerações precisam ser iniciadas e educadas sobre a nobreza do verdadeiro cooperativismo, de maneira que entendam porque é que muitas cooperativas faliram, enquanto outras funcionam tão bem até nossos dias. Assim, convido você a assistir a uma palestra que proferimos durante um grande roteiro sobre Cooperativismo e Agricultura Familiar: fortalecendo gerações.

Não basta ter o rótulo de sócio se no fundo não se é cooperativista. Ser participativo é fundamental para que o sócio se faça dono da sua cooperativa. Isso se faz através do “adonamento” (do fazer-se dono não por esperteza e velhacaria, mas com seriedade) financeiro, profissional, afetivo, participativo, patrimonial, enfim, um dono comprometido com aquilo que é seu, a sua cooperativa.

Percebemos que está na hora de voltarmos a falar em cooperativismo às famílias associadas, colaboradores e dirigentes. Os problemas que hoje enfrentamos nas áreas de produção, transporte e comercialização precisam ser resolvidos conjuntamente e têm a ver com a formação dos cooperativistas.

Há também muitos sócios no meio do quadro social que só pensam em preço e vantagem pra si, e isso não revela espírito cooperativo, mas puro egoísmo. Quando nos unimos vencemos as crises, não quando  nos isolamos.

Uma cooperativa é uma entidade complexa, que inclusive muitos sócios não sabem como funciona, mas precisam se interessar o assunto, afinal, a empresa cooperativa é deles. Não é inteligente ter uma participação fraca durante o seu funcionamento, o que poderá acarretar numa pesada carca financeira se a mesma tiver complicações financeiras.

Cooperativismo não é um assistencialismo, mas uma atividade que busca atender às demandas dos associados Há por isso também a necessidade de se favorecer a participação da comunidade associada, através de  núcleos e comitês educativos.  O cooperativismo acontece quando elevamos nossa consciência pessoal e familiar, de acordo com o que expressamos no vídeo ao lado.

Finalmente, quando ele age com espírito familiar, ou seja, sempre procurando fortalecer cada um dos membros da família, todos se sentem coparticipes e tendem a cooperar de maneira ideal. Para tanto, há a necessidade de se investir constantemente em informação, formação e educação cooperativa.

-->

A Família e os Pilares da Vida

O ESPELHO DA VIDA E A IMAGEM DO REINO Queremos ser espelho, mas nem sempre nos olhamos profundamente nele. Nosso olhar quase sempre é para sanar algum problema de aparência, descobrir uma necessidade de maquiagem, mas com pouca profundidade. Não estaríamos a fazer o mesmo com a  nossa prática religiosa dentro das casas? E por falar em superficialidade, esse tem sido um grande mal em nosso tempo: – Vivemos afogados e ensimesmados pelo excesso de “selfies” em detrimento de conteúdo;   – Comportamo-nos como narcisistas (indivíduos com excesso de amor por si ou por sua própria imagem – uma referência...

Leia mais

O ESPELHO DA VIDA E A IMAGEM DO REINO

Queremos ser espelho, mas nem sempre nos olhamos profundamente nele.

Nosso olhar quase sempre é para sanar algum problema de aparência, descobrir uma necessidade de maquiagem, mas com pouca profundidade. Não estaríamos a fazer o mesmo com a  nossa prática religiosa dentro das casas?

E por falar em superficialidade, esse tem sido um grande mal em nosso tempo:
– Vivemos afogados e ensimesmados pelo excesso de “selfies” em detrimento de conteúdo;  
– Comportamo-nos como narcisistas (indivíduos com excesso de amor por si ou por sua própria imagem – uma referência ao mito de Narciso – ao verem no espelho d’água nele se jogam e, não sabendo nadar, morrem afogados);
– Não resistimos passar ao lado do lago das aparências e logo nos perdemos nas exterioridades enganosas, nas ilusões (erros de percepção ou de entendimento) que as aparências podem nos levar.

Olhar no espelho da vida não é apenas ver a própria imagem, marcas de expressão, pintas, rugas, etc., com o fito de cobrir tudo isso com algum cosmético, mas procurar aquilo que nos dá sentido para levar o Reino para dentro do lar.

A maquiagem cada vez mais promove melhorias na imagem das pessoas, mas pode estar também apenas escondendo defeitos.

Maquiagem não resiste às lágrimas e tempestades da vida, nem nos faz mais fortes para vencer as adversidades. Só a fé como adesão incondicional a uma verdade nos possibilita isso.

Podemos, sim, melhorar nossa aparência ao maquiar nosso rosto, ter todo o tipo de cuidado com o nosso corpo, desde que mantenhamos a firme busca da verdade daquilo que está sob nossa pele.

Olhar-se no espelho da vida é penetrar no fundo do próprio ser, no recôndito da nossa alma e entregar a Deus nossas profundas intenções. Todavia, a impressão que temos é que a fé de muitas pessoas se tornou uma espécie de cosmético para manter as aparências, e não caridade que mostra e doa a vida em sua essência.

Eu não posso olhar o espelho por você, assim como não posso ter fé por você, ou mudar sua imagem por você. Posso, sim, orar para você e emprestar-lhe um espelho físico, porém, o mergulho profundo no infinito do espírito apenas uma pessoa pode fazer: você!

O que temos refletido às pessoas de nossa casa, aquelas que nos veem e ouvem dia após dia?

Tenhamos uma conversa franca com Deus, tomemos uma atitude de fé e decidamos ser os melhores espelhos possíveis por onde passarmos.

Paremos de propagar as aparências que não fazem parte daquilo que é o mais central, a mais importante característica do nosso ser, nas entranhas da vida e levemos o amor na dimensão pessoal, conjugal, e o carácter espiritual que nos faz nascer de novo em cada lar.

Cumpramos o nosso sim e comprometemo-nos com o Deus da Vida a cumprirmos o nosso propósito dentro do lar, pois, “aquele que ouve a palavra, mas não a põe em prática, é semelhante a um homem que olha a sua face num espelho e, depois de olhar para si mesmo, sai e logo esquece a sua aparência.”(Tg 1,23-25).

Havemos de refletir nosso exemplo e permitir que nossa imagem sirva de luz familiar a quem convivemos, ainda mais numa época de tantos ataques e tentativas de desconstrução das famílias.

Coloquemos espelhos para reinventar os espaços do lar e refletir o amor presente no lar.

Olhemos no espelho para ver em nosso interior a imagem do amor, fazendo reinar a alegria de viver que alivia e elimina a dor.

Os espelhos ampliam os espaços e as visões dos ambientes, assim como nossa imagem amplia o legado (mais que herança) que podemos deixar às novas gerações. Os sentimentos que eles nos revelam são expressos através do olhar, do corpo, dos climas, das feições que expressamos. Portanto, olhe-se e diga a você o quanto você é importante para a sua família. Em sentido estrito, você é um ser humano que serve de exemplo de comportamento para outros.

Você sempre tem a chance de se deixar ofuscar a visão da vida que existe em você, ou fazer com que alguém reflita um pouco do seu bom ser e “assim resplandeça a vossa luz diante dos homens, para que vejam as vossas boas obras e glorifiquem o vosso Pai, que está nos céus.” (Mt 5,16)

Seu espelho interior vai lhe proporcionar algumas indagações e até respostas que, por certo, o auxiliarão na leitura da sua vida e na propagação de imagens que sirvam para, perseverantemente, fortalecer, restaurar e edificar o lar de quem necessitar.

Ainor Francisco Lotério
Natural de Vidal Ramos/SC, é engenheiro agrônomo, palestrante, psicopedagogo, M.Sc, acadêmico de teologia e aluno da Escola Diaconal São Francisco de Assis. Autor do livro: Pais Frouxos, Filhos Sofredores, Pais Firmes, Filhos Felizes, é também ministro da Palavra junto à Paróquia Divino Espírito Santo, em Camboriú/SC.

-->

QUANDO A FAMÍLIA É AMIGA DA ESCOLA, A ESCOLA PASSA A SER UM GRANDE BEM PARA A EDUCAÇÃO DOS FILHOS.

Nesse artigo, de caráter reflexivo e motivacional, procuramos responder aos seguintes questionamentos do tempo atual: 1- O que deve crescer dentro de casa para fazer da família uma célula amiga do corpo escolar? 2- O que deve ser agregado na escola para que as famílias se sintam cada vez mais coautoras da educação da sua prole? 3- Como estruturar uma proposta de educação que transforme a família em parceira e cooperadora da escola, uma vez que a escola é composta pelos filhos das famílias? Algumas considerações importantes: – Observamos certa crise de valores vivenciada por muitas famílias no cenário...

Leia mais

Nesse artigo, de caráter reflexivo e motivacional, procuramos responder aos seguintes questionamentos do tempo atual:

1- O que deve crescer dentro de casa para fazer da família uma célula amiga do corpo escolar?
2- O que deve ser agregado na escola para que as famílias se sintam cada vez mais coautoras da educação da sua prole?
3- Como estruturar uma proposta de educação que transforme a família em parceira e cooperadora da escola, uma vez que a escola é composta pelos filhos das famílias?

Algumas considerações importantes:

– Observamos certa crise de valores vivenciada por muitas famílias no cenário atual, onde pais e mães estão perdendo a autoridade e a liderança no lar. Isso nos dá a impressão que os alunos são mais filhos da escola do que das famílias.

– Não há mais a família de “antigamente”, mas vários tipos de família. Causas sociais, culturais, econômicas, afetivas, espirituais e tecnológicas explicam muito dessas novas configurações. Mas o fato é que essas mudanças nos colocam novos desafios, entre eles o resgate da participação da família na vida escolar de seus filhos.

– A escola jamais substituirá as famílias e as famílias jamais conseguirá substituir a escola. Cada uma dessas distintas instituições possui um papel forte e decisivo na vida das crianças, sendo a família a primeira escola e a escola a segunda família.

– Há certa unanimidade quando se pronuncia a frase: “a educação deve começar em casa”, sendo que a escola deve ser a repassadora de conhecimentos que instrumentalizem a criança para a vida profissional e social. Que possa ela receber uma formação que a torne cidadã consciente, conhecedora dos seus deveres e capaz de lutar por seus direitos.

– Pais amigos da escola sabem que um filho (uma criança) é uma joia rara e que merece de quem o gera/ou cuida todo o empenho, investimento e amor. Sabem que valorizando a família (“nosso maior patrimônio”) e despertando o “ser amigo” da escola (“patrimônio de todos”), a escola entrega uma educação de qualidade aos educandos. O certo é que quando mais as famílias participarem das atividades da escola, iniciando-as dentro do lar, elas passam a contribuir efetivamente para a construção de um futuro mais justo e feliz.

– Família amiga da escola é aquela que entende que a educação do seu filho é tanto mais eficaz, quanto mais ela cooperar com a escola.

– A família amiga da escola sabe que a missão dos professores e professoras é levar conteúdo, conhecimento e entendimento, de modo a desenvolver dons e talentos, além de gerar habilidades profissionais e de convívio social. Não foge ela da sua responsabilidade: repassar princípios e valores morais e éticos.

– Um amigo não é apenas um voluntário, mas uma pessoa que mantém um relacionamento de afeto, consideração e respeito por outra pessoa, protegendo-a e fazendo o possível para ajuda-la sempre. Logo, quem não mantém essa ligação com relação à escola do filho, não pode ser considerada amiga da escola.

– É frequente o caso de pais e mães que praticamente não cooperam com a escola, mas exigem que a mesma transmita “educação completa aos filhos”.

– Sabemos que princípio e valores relacionados à obediência, respeito aos mais velhos, consideração pelos professores, simpatia e solidariedade para com outros, disposição para o trabalho em grupo, etc, devem nascer e crescer dentro de casa.

(Confira abaixo o vídeo realizado pelo Palestrante sobre uma didática que estimulou e facilitou no processo de educação e interação dos alunos na Escola de Educação Básica Araújo Figueiredo, em Urubici, SC. Veja também a grande repercusão na fanpage do Professor, CLIQUE AQUI).

– Há a necessidade de firmeza de propósitos e coragem para educar sem rodeios.

– A constante busca da evolução faz da família uma célula cada vez mais fundamental para o progresso social de maneira harmônica, duradoura e sustentável.

– Educadores, pais e filhos, ajamos em cooperação: mais do que um por todos e todos por um, um por todos e todos por todos!

– Misturemos as mãos nesse aperto em favor da educação da nação!

AINOR FRANCISCO LOTÉRIO – Palestrante e escritor, engenheiro agrônomo, pós-graduado em Metodologia do Ensino Superior, Gerenciamento de Marketing, Psicopedagogia, Mestre em Gestão de Políticas Públicas/Instituições, cultura e sustentabilidade e acadêmico de Teologia. 

-->

Motivação, Trabalho e Família (Ética para a vida) – (São José – SC)

O Palestrante e escritor Ainor Lotério esteve participando do evento de encerramento da Associação das Retíficas do Estado de Santa Catarina (ARESC) no município de São José (SC). A noite foi recheada de sorteio de brindes, palestras e encerrou com uma confraternização entre os associados e familiares.

Leia mais

Ainor Lotério - ARESCO Palestrante e escritor Ainor Lotério esteve participando do evento de encerramento da Associação das Retíficas do Estado de Santa Catarina (ARESC) no município de São José (SC). A noite foi recheada de sorteio de brindes, palestras e encerrou com uma confraternização entre os associados e familiares.LEIA MAIS

-->
Voltar