logo ainor site

Palestra: “COOPERATIVISMO, Movimento Orgânico Que Gera Vida Forte!” – Escola Nucleada Laudelino Borguesan (Sicoob Crediarauacaria)

“O COOPERATIVISMO É UM MOVIMENTO ORGÂNICO QUE GERA VIDA FORTE OU INCITA UMA VIDA FORTALECIDA”, afirmou o prof. Ainor Lotério, entre tantos professores, pais, gestores públicos e colaboradores cooperativistas na abertura da palestra.

A PALESTRA, SOLICITADA PELA SICOOB CREDIARAUCARIA, VERSOU SOBRE COOPERATIVISMO NA ESCOLA NUCLEADA LAUDELINO BORGUEZAN, SANTO ANTÔNIO, URUBICI-SC. A participação da comunidade escolar foi efetiva, tendo a escola realizado excelente mobilização, uma vez que vem trabalhando a educação cooperativista em sala de aula. Foi um sucesso de público e participação, tanto de pessoas quanto das instituições. Toda a mobilização foi realizada pela Cooperativa de Crédito Sicoob Crediaraucaria, tendo o apoio forte da Secretaria Municipal da Educação e da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural-Epagri, que atua há décadas em Urubici.

O enfoque dado recaiu sobre a tríade “FAMÍLIA + ESCOLA + COOPERAÇÃO” — “FORTALECIMENTO DO DESENVOLVIMENTO HUMANO E VIDA ENRIQUECIDA”, destacando o “ESPLENDOR DA SOCIEDADE COOPERATIVA NA COMUNIDADE ESCOLAR”.

A Escola Nucleada Laudelino Borguezam (Urubici–SC) vem se notabilizado no quesito ensino de qualidade, chamando a atenção não apenas no âmbito municipal, mas estadual e nacional. Pais, professores, gestores e parceiros se envolvem com afinco, realmente transformando o ambiente escolar”, disse o palestrante da noite, Ainor Francisco Lotério, que também foi extensionista, professor e gestor público municipal.

Assunto que já vem agradando à comunidade escolar é a implantação da Cooperativa Mirim, conforme a legislação, tem uma finalidade educacional, visando desenvolver competências, hábitos e atitudes por meio de práticas pedagógicas que disseminam os princípios do cooperativismo e promovem responsabilidades sociais, morais e coletivas dentro e fora do ambiente escolar.

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A NUCLEAÇÃO ESCOLAR: A organização do ensino no meio rural, por meio de escolas-núcleo, oferece vantagens significativas, incluindo melhorias no processo educativo, apoio e valorização dos alunos e seus familiares, fortalecimento do ensino-aprendizagem pela inteligência cooperativa, gestão participativa da escola, identificação de valores e necessidades próprios do campo, contribuição para a qualidade do ensino oferecido e dinamização do ambiente comunitário e familiar.    

O CONTEÚDO E ESTRATÉGIA DE APRESENTAÇÃO E ENVOLVIMENTO DA COMUNIDADE ESCOLAR E ENTIDADES PARCEIRAS COOPERATIVISTAS PASSOU PELOS SEGUINTES PONTOS:

A luminosidade de uma sociedade cooperativa no seio da comunidade escolar;

O Cooperativismo como que abrange as parcerias estabelecidas no ambiente escolar, com participação do serviço de extensão rural (Epagri) e a promoção da educação (Secretaria Municipal de Educação de Urubici) cooperativista empreendedora (Sicoob Crediaraucaria);

Visou reconhecer a importância da organização do ensino no meio rural, em escolas-núcleo, em oposição às escolas multisseriadas, fornecendo apoio técnico, educacional e financeiro, e fomentando a doutrina e educação cooperativista entre os alunos;

Abordou melhorias no processo educativo, o apoio e valorização dos alunos e seus familiares, o fortalecimento do ensino-aprendizagem pela inteligência cooperativa, a gestão participativa da escola, a identificação de valores e necessidades específicas do campo, a contribuição para a qualidade do ensino oferecido, e a dinamização do ambiente comunitário e familiar.

OUTRO PONTO FORTEMENTE DESENVOLVENDO FOI O QUE RELACIONOU O PROJETO AOS VALORES DE COOPERAÇÃO E PARTICIPAÇÃO NA EDUCAÇÃO ESCOLAR.

Desse modo, demonstrou-se que “o Cooperativismo é um movimento global que visa estabelecer uma sociedade justa, livre e fraterna, por meio de empreendimentos que atendam às necessidades reais dos cooperados e remunerem adequadamente a cada um deles” (OCB).

A origem e essência do Cooperativismo remontam a uma comunidade remota da vida rural inglesa, os “rochadelianos”. Neste contexto, a escola se estende no universo comunitário e vice-versa, estabelecendo uma aliança para o desenvolvimento. A participação efetiva e prática, aliada à conscientização, é essencial para a vida plena, como exemplificado pelo processo de compostagem e produção de sabão caseiro a partir de recursos locais. Estas práticas não apenas resolvem problemas, como transformam resíduos em recursos úteis, elevando as consciências para a sustentabilidade.

Por meio do “Programa Aprender Valor” (Banco Central), que visa promover educação financeira em escolas públicas, os alunos podem adquirir insumos e aumentar a produção dos projetos desenvolvidos na escola, estendendo assim os benefícios para suas famílias e comunidade.

GALERIA DE FOTOS DO EVENTO

Reconhecimento pelo Trabalho em Favor do Município de Camboriú-SC – Ainor Lotério recebeu o Prêmio Medalha Wilson Plautz

 

 

O Prêmio Medalha Wilson Plautz (o Rolinha, que foi prefeito do município por três mandatos https://www.camaracamboriu.sc.gov.br/imprensa/noticias/0/1/2021/2406 ) é  uma distinção honrosa por atuação destacada, notável e relevante para o desenvolvimento e engrandecimento do Município de Camboriú-SC, marcou as festividades do aniversário de 140 anos do Município e Cidade de Camboriú-SC

Recebido por Ainor Lotério, ex-Prefeito de Camboriú, o qual já recebem também o Prêmio Amigo do Meio Ambiente 2013 e o Prêmio Mérito Prefeito Amadio Dalago (foi Prefeito de Camboriú por três mandatos, além de ter sido vereador) 2022 (Lei Municipal n.º 3.140/2019, em homenagem ao ex-prefeito de Camboriú. A honraria reconhece pessoas que se destacam pelos seus serviços prestados e impactos positivos gerados na sociedade).

Concedida pelo Chefe do Poder Executivo de Camboriú, reconhece os notáveis contribuidores da comunidade. Foi concedida a Ainor Loterio recebeu a Medalha Verde, destinada a cidadãos vivos destacados em suas áreas de atuação, no caso o serviço público com extensionista rural, professor, prefeito municipal, palestrante e voluntariado social.

“É muito gratificante poder realizar, pelo terceiro ano consecutivo, mais uma edição dessa importante premiação. A “Medalha Wilson Plautz” é um símbolo do nosso reconhecimento por essas pessoas, instituições e empresas que contribuíram e contribuem muito para o desenvolvimento e história da nossa Camboriú” ressalta o prefeito de Camboriú, Elcio Rogério Kuhnen. (Obs.: essa notícia completa está em Medalha e honra: Camboriú realizou mais uma edição da “Medalha Wilson Plautz”).

Ainor Lotério é uma figura notável em Camboriú, Santa Catarina, que deixou uma marca indelével em diversas esferas da vida. Como chefe de família, demonstrou um compromisso inabalável com seus entes queridos, sempre dedicando tempo e energia para apoiá-los e orientá-los.

Durante sua gestão, Ainor Lotério priorizou uma administração transparente e participativa, buscando envolver a comunidade nas decisões e projetos do município, promovendo assim uma maior inclusão e representatividade. Como Prefeito de Camboriú, onde deixou um legado de inovação, dedicação e serviço à comunidade, Ainor Loterio fez, juntamente com sua equipe, uma gestão exemplar, contribuindo significativamente para o crescimento e o progresso de nossa cidade, mesmo tendo enfrentado sérias dificuldades orçamentárias à época.

Na esfera profissional, sua passagem pela ex-ACARESC e EMATER-SC e EPAGRI (Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural do Estado de SC) foi marcada por um profundo comprometimento com o desenvolvimento rural e agrícola. Como extensionista rural, ele trabalhou incansavelmente para levar conhecimento e tecnologia aos agricultores locais, contribuindo para o crescimento e a sustentabilidade do setor. É um cidadão dedicado às questões ambientais, tendo criado o Turismo Ecológico-Rural e a Agrosofia (filosofia de vida com base no agro) e é um cantor apaixonado do Hino Oficial do Município.

Na gestão pública de Camboriú, Ainor Lotério deixou sua marca como prefeito, liderando com visão e dedicação. Sua administração foi marcada por iniciativas inovadoras e pela busca constante pela melhoria da qualidade de vida dos cidadãos, deixando um legado de progresso e desenvolvimento para a cidade. Suas principais linhas de atuação em sua gestão: Desenvolvimento Urbano: Lotério implementou projetos de infraestrutura urbana, como pavimentação de ruas, construção e revitalização de espaços públicos, visando melhorar a qualidade de vida dos moradores de Camboriú.

Sua liderança visionária e comprometimento com a excelência foram evidentes em todas as esferas de sua atuação.

Como ex-professor e educador do campo (extensionista rural) Ainor Lotério priorizou investimentos na educação, buscando melhorar a qualidade do ensino nas escolas municipais e promover o acesso à educação de qualidade para todos os estudantes.

Sua experiência como extensionista rural foi fundamental para implementar programas e políticas que apoiassem os agricultores locais, promovendo o desenvolvimento sustentável da agricultura e incentivando a adoção de práticas agrícolas mais modernas e eficientes.

Lotério também se destacou por sua atuação em obras sociais, promovendo programas e projetos que beneficiassem os mais necessitados da comunidade, como assistência social, saúde e moradia.

OS TEMPOS SÃO OUTROS: Linguagem e comunicação na diversidade humana – Motivação e Inteligências Múltiplas/Trabalho em Equipe – Apae Pomerode

OS TEMPOS SÃO OUTROS. QUEM NÃO SE ADEQUAR A LINGUAGEM INCLUSIVA TERÁ SÉRIAS DIFICULDADES NO MOMENTO DE TRABALHAR COM PESSOAS/EQUIPES.

Aprender uma nova linguagem para esses tempos de diversidade humana, ou seja, da nossa casa comum, é fundamental para o bom convívio em todas as áreas do viver.
Quem não deseja se relacionar bem consigo e com os outros?
– Só os que ainda conservam em suas mentes essa desconsideração para com os atingidos, imaginando que o que vinha sendo utilizado há anos possa continuar em uso. Bom é entendermos que as pessoas ficam enfezadas, opa! essa palavra não serve, pois denota um profundo preconceito para com os escravos que deviam retirar as fezes dos drenos dos fundos das casas e, por essa razão, acabavam sujos de fezes. Que horror!

Foi o que amargamente, mas bem disposto e de modo sincero, aprendi durante a preparação, ministração e avaliação da Palestra Motivação e Inteligências Múltiplas/Trabalho em Equipe – Apae Pomerode (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais de Pomerode
Entidade Mantenedora do CAESP “Egon Kühn”).

Que providência tomei? Solicitei uma avaliação criteriosa e ao receber o texto fiquei mais preocupado ainda. Em seguida solicitei uma reunião com o mesmo grupo, com aquelas pessoas que me assistiram, as que desejassem estar numa roda de conversa comigo sobre o assunto. Parte do grupo que participou da palestra lá esteve e puderem falar livremente sobre tudo o que houve (insinuações machistas, brincadeiras homofóbicas, ficando também evidente a intolerância religiosa, etarismo, etc.), sem me defender e/ou justificar, mas aprendendo que se fazia necessário me ressignificar, a exemplo do que o grupo postou em sua mensagem. O objetivo foi aproveitar a oportunidade (que poderia ter sido apenas um problema) e aprofundar o tema com esses professores (tornando tudo numa opourtunidade de conhecimento), dirigentes, técnicos e colaboradores dessas instituições de ensino voltadas às pessoa com deficiência.
Agindo assim, muito aprendi com um grupo de professores, dirigentes, servidores e servidoras da APAE – Pomerode-SC. Lá, quando da realização da palestra motivacional sobre inteligências múltiplas, objetivando o bom início do ano, acabei por ofender algumas pessoas pelo uso de expressões “aparentemente inocentes” (Ainor Lotério). 

Mesmo com o ocorrido, o grupo me avaliou positivamente no dia, inclusive enviando mensagens em vídeo, deixando expressa “a oportunidade de aprender conosco, mas também de sentir abertura em oferecer aprendizado”. Esse foi o ponto alto, especialmente celebrado quando conversamos face a face, ouvindo atentamente e aprendendo sobre o novo momento. 

Devemos (é difícil) aprender com os próprios erros e dar liberdade às pessoas da sua família, amigos, círculos de trabalhos, igrejas, eventos e demais momentos sociais para que avaliem seu modo de falar.

Usemos nossas inteligências múltiplas na escolha de palavras e expressões que não sejam preconceituosas, ofensivas a indivíduos ou grupos ou que possam representar atentado à igualdade entre os cidadãos, pois essas palavras e expressões estão sendo repensados e banidos do nosso vocabulário. De igual modo, a pessoa com deficiência e qualquer outra pessoa tem nome, sobrenome e dignidade a ser respeitada.

YouTube player

As palavras que, no passado, mesmo com duplo sentido, preconceito de qualquer tipo ou por prepotência mesmo eram pronunciadas (ex.: mercado negro, denegrir, criado mudo, inveja branca, opção sexual, etc.), hoje não comunicam mais, só atrapalham o convívio e dificultam o relacionamento humano. E isso faz sentido? Faz e muito. Quem estuda a origem e a intenção de uso dessas palavras, especialmente colocadas em frases e contextos, percebe que a intenção não era (e pior hoje) boa. No mínimo ganharam, ao longo do tempo, um uso mais, digamos, inocente. Contudo, os atingidos com essas palavras e expressões sentem o peso das palavras agora inadequadas (outroras muito utilizadas) e dos ofensivos preconceitos e execráveis humilhações.

“A linguagem inclusiva evita o uso de palavras, termos e expressões que possam reforçar estereótipos, preconceitos ou discriminação. É uma forma de comunicação que busca promover a inclusão e a representatividade de todas as pessoas”, conforme podemos ler no Manual de Comunicação da Secom/Senado Federal.

COM QUEM E COMO PODEMOS APRENDER ESSA NOVA LINGUAGEM INCLUSIVA?

Estudando muito, conversando sem preconceito, com a mente e o coração abertos às pessoas diversas de nós, de modo a não criarmos adversidades, mas aprendermos com a diversidade, pois ela é humana.

Entender que a diversidade já é algo próprio e fortalecedor da natureza, onde uma área de vegetação natural, ou seja, com várias espécies diferentes convivendo na mesma gleba (encosta, baixada ou topo de montanha) é mais resistente às mudanças climáticas que uma área desmatada e cultivada com uma planta só. O fato de ter uma planta só sendo cultivada, isso por razões comerciais, a deixa vulnerável a pragas. O que queremos dizer é que cabeça que se deixa cegar é como uma área pouco natural, sem o conhecimento das raízes diferentes de mais espécies. Isso é como se tivesse uma praga, ou seja, uma forma de pensar ensimesmada, onde o indivíduo se comunica sem empatia, pouco se importando com os sentimentos e a condição dos outros.

 

YouTube player
YouTube player
YouTube player

Palestra Show/Reflexiva “VIVER E BRILHAR” para Mulheres Unidas Batistenses.

YouTube player

Foto: Adriano Campos: @adrianoo_camps

O Primeiro Encontrão das Mulheres Unidas Batistenses: MULHER, UM SER QUE NASCEU PARA BRILHAR, ocorreu na Comunidade Bethânia (inspirada na Bethânia bíblica, olhando para os irmãos, Marta, Maria e Lázaro, a Comunidade nasceu como casa de acolhida dos diversos marginalizados da sociedade que procuram um novo jeito de viver), em São João Batista, Santa Catarina.

Foi aí que encontramos (pedalando uma bicicleta e falando do tema e da ciclomotivação, ou seja, da necessidade de movimento para crescer, evoluir e brilhar na comunidade) centenas de mulheres envolvidas num evento especial, onde toda a diversidade humana, lideranças, entidades (Epagri, Senar-SC/Sind.Rural, Prefeitura Municipal/Fundação Municipal de Cultura e Juvfen) e voluntários deram sua força participativa e apoio na mobilização e no dia do evento.

O tema, levado no grande encontro de mulheres, em São João Batista-SC, serviu para refletir sobre a condição da mulher catarinense, brasileira e alguns aspectos do movimento em favor das mulheres em nível mundial. Sua emancipação, formação, gestão familiar, compreensão a respeito da nossa casa comum, ou seja, o planeta inteiro. 

Foto: Adriano Campos: @adrianoo_camps

Partiu-se do princípio que um ser humano preparado, que despertou sua potencialidade e seus dons, certamente, terá mais condições de viver na sociedade atual que, mesmo tendo ares de tragédia (mudanças climáticas, conflitos mundiais, dificuldade para sustentar os filhos, manter a relação matrimonial/familiar, educar e preparar os filhos e filhas para o mundo novo) é o lugar do nosso viver. Aqueles seres humanos, no caso as mulheres, que descobrirem seu brilho interior irão iluminar seus caminhos, dos filhos e da sociedade. 

Foto: Adriano Campos: @adrianoo_camps

NÃO É POUCA COISA” conciliar a vida pessoal e familiar com a vida profissional: a sociedade moderna espera que além de realizadas profissionalmente, elas sejam boas mães, eficientes no cuidado com a casa, atraentes para seus maridos”, disse Ainor Lotério, o palestrante escolhido para o momento.

QUEM SÃO ESSAS MULHERES QUE: Como peregrinas: participam de tudo…; Moram na terra e são regidos pelo céu…; Ofendidas, perdoam…; Desonradas, honram…; Jamais desistem de educar seus filhos…; Desejam a realização pessoal e profissional…. SÃO AQUELES SERES HUMANOS QUE NASCERAM PARA BRILHAR E NÃO SEREM ABAFADAS PELO MACHISMO, A VIOLÊNCIA, A FALTA DE CONDIÇÕES PARA A EDUCAÇÃO DOS FILHOS, A FORMAÇÃO PROFISSIONAL E TANTAS NECESSIDADES DE EVOLUÇÃO!

O Brasil está cada vez mais idoso, negro e feminino. São as mulheres, esses seres que saíram do casulo (considerando-se a metamorfose transformadora, com o que ocorre com as borboletas) e tomaram (ou estão tomando) conta do mundo. Esse tomar conta foi feito muito por aparência e um certo “faz de conta” por parte dos homens que comandavam e ainda comandam a maioria das forças vivas da sociedade. No entanto, em dias hodiernos, as mulheres estão conscientes e evoluindo com mais consciência do seu papel na sociedade, compreendendo que o que faziam na família (dentro de casa) não era apenas “esquentar a barriga no fogão e esfriá-la na pia de lavar louça ou no coxo de lavar roupas”, mas um tomar consciência da igualdade (com visão de equidade de gênero) que a sociedade está a exigir. Esse equilíbrio não se fará por imposição, mas em fazer resplandecer o brilho pessoal, interior, dom de cada mulher. 

Mais temas e postagens sobre as mulheres AQUI: https://ainor.com.br/?s=MULHER

Galeria de fotos do evento

Foto: Adriano Campos: @adrianoo_camps
Foto: Adriano Campos: @adrianoo_camps
 
Foto: Adriano Campos: @adrianoo_camps

Galeria de vídeos do evento

YouTube player
 

YouTube player

YouTube player
 

PALESTRA MOTIVACIONAL “ALEGRIA DE VIVER E SABEDORIA DE ENVELHECER” sobre longevidade humana em comemoração aos 30 anos da Naviraíprev

YouTube player
“ALEGRIA DE VIVER E SABEDORIA DE ENVELHECER”, por ser ideal para pessoas idosas ou não, com dinâmica de exposição atraente, procurou demonstrar o que cada um deve e pode fazer para ter uma aposentadoria com renda e qualidade de vida. Afinal, “viver é preciso, envelhecer também é preciso e os mais velhos têm muito a ensinar.

Uma palestra especialmente preparada para promover a motivação e a sensibilização para a longevidade humana, tendo como pano de fundo a alegria de viver e a sabedoria de envelhece, pois, a velhice tem muito a nos ensinar.

O público foi composto de Servidores Municipais de Naviraí-MS, ligados ao NAVIRAIPREV-Previdência Social dos Servidores Públicos de Naviraí-MS

O protagonismo relacionado ao envelhecimento deve ser ativo no mundo atual, demonstrando e fazendo ver aos mais novos que envelhecer é uma dádiva bem acima dos sofrimentos e esquecimentos.

Trabalha-se as atitudes comportamentais positivas na terceira idade, bem como a longevidade e busca ativa da felicidade, entre outras falas e dinâmicas bem fortes e envolventes.

O conteúdo da palestra será estendido nos seguintes tópicos:

-O fenômeno da longevidade humana na sociedade contemporânea e “o que fazer com os anos a mais que ganhamos”;

-A papel da alegria na vida do ser humano especialmente na vida madura e seu efeito na longevidade, entendendo os malefícios que a ranzinzice pode provocar, enaltecendo os efeitos do trabalho, do amor e do bom humor;

-Motivando reflexivamente sobre as saídas físicas, culturais, educativas e inclusivas com vistas à longevidade humana com vida de qualidade;

-Conceito positivo e ativo de envelhecimento, orientado ao desenvolvimento (consciência coletiva para investir e valorizar);

-Valorização da jornada, homenagem pelo legado e motivação humana intrínseca e extrínseca: não se pode ser novo fisicamente o tempo todo, mas se pode estimular todas as gerações a bem viver sempre.

-Dinâmicas de interação, musicalização e resgate cultural das épocas vividas, dando cor aos nossos dias, às nossas atitudes e decisões, fazendo da amada velhice uma grandiosa obra viva de arte.

A LONGEVIDADE HUMANA É MESMO UM FENÔMENO QUE VEM IMPACTANDO VIDAS PESSOAIS, FAMILIARES E A SOCIEDADE. É esse fenômeno que provoca constantes eventos envolvendo a vontade de viver mais, não apenas pela contatação do aumento da média de vida da população brasileira, mas pela necessidade de nos prepararmos para saber o que fazer com os anos a mais que estamos tendo”, diz o

Chegar às idades mais avançadas é sinal de um caminho bem trilhado, quando o conhecimento se funde às experiências vivenciadas durante a jornada existencial. E se uma das únicas certezas que se têm é que só vive muito quem envelhece com saúde e bem, interessara-se pela terceira idade, idade feliz, longa vida, qualidade de vida no envelhecimento, enfim, longevidade humana é fundamental para felicidade da pessoa, evitando que a velhice (quando a pessoa pode apresentar vulnerabilidades físicas, sociais, psicológicas etc.) revele uma face cruel da vida (abandono, más condições de vida, tristeza, ranzinzice, preconceito etc.).

Num mundo de longevidade cada vez maior, onde os sistemas públicos de saúde e de previdência não suportam essa situação dentro de um padrão compatível com as necessidades e expectativas dos indivíduos, o planejamento da vida na terceira idade deve se tornar cada vez mais gênero de primeira necessidade.

Vejamos o que se está criando e aperfeiçoando, o Índice de Desenvolvimento Urbano para a Longevidade (IDL), resultado de estudo que revela as atuais condições e preparação dos municípios brasileiros para o envelhecimento de suas comunidades. A capacidade das cidades grandes, médias e pequenas de atender às necessidades básicas de vida, em especial dos adultos mais idosos começa então a ser notada doravante.

YouTube player
YouTube player

 

Palestra: O PAPEL DA FAMÍLIA NO CONTEXTO ATUAL (UM OLHAR PARA A ESCOLA) – Imbuia-SC

 

Com uma eficaz mobilização por parte da ESCOLA BÁSICA MUNICIPAL PROFESSORA UMBELINA LORENZI e Secretaria de Educação, Cultura e Desporto do Município de Imbuia-SC, mais de quatrocentos pais, mães, educadores e lideranças estiveram presentes na noite da palestras, nas dependências da Escola (ginásio poliesportivo).

O Palestrante e professor Ainor Francisco Lotério (conheça-o melhor em www.ainor.com.br) apresentou de forma descontraída, musicaea e profundamente o tema “O PAPEL DA FAMÍLIA NO CONTEXTO ATUAL (UM OLHAR PARA A ESCOLA)”, evidenciando que este tema nos mostra que a melhor escola é a família e os primeiros professores são os pais. Da concepção ao nascimento, do crescimento à formação para ingressar na sociedade não há instituição que possa superar a família na tarefa de educar.

Filhos não são seres personalizados com problemas e desajustes da relação dos pais e da família, para serem depositados na escola e esta que se vire. Filhos são rebentos de um sonho, seres que vêm ao mundo em busca de evolução. Só que essa evolução não acontece plenamente sem a participação de gente tão importante quanto os pais. Mesmo no caso de pais separados a importância é a mesma, uma vez que pais podem se separar, porém a importância destes na vida dos filhos continua a existir sempre.

“A família não é o único canal pelo qual se pode tratar a questão da socialização, mas é, sem dúvida, um âmbito privilegiado, uma vez que este tende a ser o primeiro grupo responsável pela tarefa socializadora. A família constitui uma das mediações entre o homem e a sociedade. Sob este prisma, a família não só interioriza aspectos ideológicos dominantes na sociedade, como projeta, ainda, em outros grupos os modelos de relação criados e recriados dentro do próprio grupo.”(CARVALHO,M.B.,2006,p.90).

Arrisco a dizer que a educação humana começa em casa e formação social e profissional se dá na escola. Quando os pais não participam efetivamente da vida escolar dos filhos, acabam perdendo a importância e tornam-se impotentes na educação daquele ser que geriram.

A compreensão dos nossos deveres pessoais, familiares, profissionais, sociais e globais está associada a importância que se dá a formação do filho. Nesse sentido, à participação na escola, lugar onde se trabalham conhecimentos, princípios e valores para toda uma vida no mundo todo.

Não há educação e formação de qualidade que edifique e qualifique um cidadão sem a comunhão de esforços entre a família e a escola

Conceber e gestar um filho até seu nascimento é um profundo ato de amor. Todavia, deixar de participar intensamente da vida do filho na escola é uma falta grave.

Imaginemos que a escola fosse o segundo ventre de seu filho e a mãe o primeiro. O ginecologista e demais profissionais da medicina, associados aos familiares e amigos seriam os mestres e professores dos “pais de primeira viagem”. Assim também na escola os gestores, professores, servidores e os outros pais seriam de igual forma os mestres e professores dos filhos que lá estão oficialmente matriculados.

A vida escolar é importante demais para que os filhos não receberem a atenção qualificada e dedicada dos pais. O nível de participação em reuniões, visitas à escola, conversas inteligentes, diálogos intergeracionais, discussões interdisciplinares e respeitosas com a direção e professores são meios de se fazer construir um ambiente escolar edificador de seres humanos realizados.

 
 
 

Galeria de fotos do evento

PALESTRA “ENVELHECER COM SABEDORIA, O QUE A VELHICE NOS ENSINA.” – SEMINÁRIO DE SAÚDE MENTAL EM ALTA: EPIDEMIA OCULTA DE TRANSTORNOS MENTAIS – SÃO PAULO-SP.

NA PALESTRA “ENVELHECER COM SABEDORIA, O QUE A VELHICE NOS ENSINA.”, apresentada no seio da vasta programação do SEMINÁRIO DE SAÚDE MENTAL EM ALTA: EPIDEMIA OCULTA DE TRANSTORNOS MENTAIS, realizado em SÃO PAULO-SP, na Sede do Tribunal Regional do Trabalho, o tema focou a sabedoria e o ensinamento que o tempo pode dar ao ser humano que tem o privilégio de viver uma longa vida.

Objetivo da palestra: demonstrar que é possível se fazer a melhor colheita possível ao longo da vida, transformando a idade avançada num porto seguro e de felicidade. Não que a terceira idade seja sempre sinônimo de melhor idade, mas para quem nasceu há muitos anos (os idosos atuais) as políticas públicas e iniciativas comunitárias contemporâneas (em favor dos idosos) representam avanços.

ENVELHECER BEM:  UM MOVIMENTO BEM PENSADO.
Quanto mais individualistas se tornam as relações humanas, mais importância é atribuída ao amor como uma fonte suprema de felicidade e reconhecimento. É oportuno contemplar o corpo humano por inteiro (cabeça, tronco e membros) e não dividi-lo por partes como se faz comumente na medicina.

Durante a palestra procurou-se ainda motivar o público da área do direito trabalhista à sensibilização para a longevidade humana como um arrojado movimento de transformação da pirâmide e relações sociais e econômicas, através dos seguintes pontos:

-Conceito positivo e ativo de envelhecimento, orientado ao desenvolvimento (consciência coletiva para investir e valorizar).

-Valorização da jornada, homenagem pelo legado e motivação humana intrínseca e extrínseca: não se pode ser novo fisicamente o tempo todo, mas se pode estimular todas as gerações a bem viver sempre.

-Considerações sobre uma existência que fale ao mundo que viver vale a pena.

-O fenômeno da longevidade humana na sociedade contemporânea e “o que fazer com os anos a mais que ganhamos”

-Assistência, autorrealização e dignidade humana.

-Motivando reflexivamente sobre as saídas físicas, culturais, educativas e inclusivas com vistas à longevidade humana com vida de qualidade.

-Reflexão sobre a vida, levando em conta o que há de mais valioso, a verdadeira alegria.

-Dinâmicas de interação, musicalização e resgate cultural das épocas vividas, dando cor aos nossos dias, às nossas atitudes e decisões, fazendo da amada velhice uma grandiosa obra viva de arte.

NUMA SOCIEDADE EM QUE A VALORIZAÇÃO DO SER JOVEM E SARADO ESTÁ EM ALTA [OLHEMOS OS TELEJORNAIS, AS REDES SOCIAIS e até as expressões sociais das pessoas nos mais diversos espaços, o ser que teve a graça e sabedoria de envelhecer pode ficar no patamar do desvalor, deixando passar a chance de refletir e viver os benefícios que a velhice proporciona.

O envelhecimento acontece agora, a cada instante, sempre. Quem não quiser envelhecer, não gostar de idosos e pratica o etarismo está removendo o sentido e o valor do viver pleno, perdendo o significado profundo que a longevidade dá à vida humana.

O certo é que a cada novo dia estamos mais velhos, mais experientes, mais doentes possivelmente, mas isso não deve se transformar numa agonia ou fobia contra os anos que chegam.

Envelhecer, para quê? Para poder ter as oportunidades de ser sábio, experiente, consciente, de ser e fazer diferente, de ser a maiúscula diferença na família e na sociedade. Todavia necessário é desvincular-se do sofrimento, da ranzinzice e de tudo aquilo que, ao longo dos anos, pode ter sido dispositivo dessas mazelas (visões e sentimentos aceitos ou produzidos a respeito do envelhecimento).

Por que não dar mais vida aos anos que conquistamos?

O que fazer com os anos a mais que estamos tendo como fruto da qualidade de vida que estamos obtendo (alimentação, medicina, medicamentos, comportamentos, conhecimento etc.)?

DIANTE DO MODELO SOCIAL DE QUASE TUDO PÉ DESCARTÁVEL O SER IDOSO PODE FICAR TEMOROSO de viver. Em face de tudo isso envelhecer é a possibilidade existencial de promover uma virada e dizer ao mundo que viver vale a pena, dizendo isso com a própria vida.

“Viver é um barato e não podemos transforma isso em carestia”, diz Ainor Lotério, engenheiro agrônomo, filósofo e teólogo, com muita experiência no caminho do envelhecimento e estudos sobre o fenômeno da longevidade humana.

ENVELHECIMENTO: LIÇÕES DE SABEDORIA E EXPERIÊNCIA DE VIDA” (Joana Gontijo, jornal Estado de Minas):
– “Viver é preciso, envelhecer também é preciso. Os mais velhos têm muito a ensinar. É uma existência inteira de experiências acumuladas. Muito mais do que a busca por uma eterna juventude, chegar às idades mais avançadas é sinal de um caminho bem trilhado.”
– “O que se observa, em muitas situações, cita a antropóloga, são discursos sórdidos, recheados de estigmas, preconceitos e violências contra os mais velhos.”
-“Os velhos são considerados inúteis, desnecessários e invisíveis. Homens e mulheres mais velhos, que já experimentam uma espécie de morte simbólica, ficam desesperados ao constatar que são considerados um peso para a sociedade”

-“Os velhofóbicos estão construindo o seu próprio destino como velho, e também o destino dos seus filhos e netos: os velhos de amanhã.”

Portanto tratemos logo de envelhecer bem, aprendendo a ENVELHECER COM SABEDORIA, além de compreender o que a velhice nos ensina, pois a juventude é muito curta.  

Galeria de fotos e védio (palestra na íntegra) do evento

YouTube player

 
 

Palestra: : “A FELICIDADE ESTÁ NAS COISAS SIMPLES QUE FORTALECEM A MULHER” – XXV Encontro Regional de Agricultoras/Epagri

YouTube player
O engenheiro agrônomo e palestrante motivacional, Ainor Francisco Lotério, falou sobre o tema: “A FELICIDADE ESTÁ NAS COISAS SIMPLES QUE FORTALECEM A MULHER”, para mais de 500 mulheres participaram do XXV Encontro Regional de Agricultoras.
Disse iniciando a palestra: É imensa a alegria de viver que tenho entre vocês, mulheres agricultoras, extensionistas, mães, avós, servidoras, empresárias, em toda a diversidade …
A seguir alguns pontos destacados na palestra:
-A MULHER É UM SER CONSTRUÇÃO: Ela se modela definitivamente pelo uso que fizer de sua liberdade de escolha. Essa escolha passa por uma habilidade, uma utilidade e uma ligação divina com o que ela faz e vive.
-A mulher é um ser que tem o poder de ajudar para que a humanidade não decaia, uma vez que ela adquire no mundo uma influência, um alcance, um poder jamais alcançados até agora.
-ONDE ESTÁ A FELICIDADE DA MULHER?
As respostas estão em gestos simples, porém praticados com divina atenção, de modo dialogal, relacional e constante. Isso pode ser verificado, dado e praticado: no apoio recebido, no carinho dispensado, na ajuda dada, no abraço aconchegante, no beijo, no interesse, na gentileza, na atenção, no perdão, no elogio, no colo, no tempo, na segurança, no incentivo, na gratidão, no respeito, no surpreendê-la, no sentir-se única, no demonstrar amor publicamente, no arrumar-se para ela, na realização familiar, na atuação profissionaal, na evolução espiritual …
O certo é que a felicidade sempre está próxima ou dentro de nós. Para dizer um pensamento bem apropriado às mulheres que cultivam a terra: “A felicidade está no nosso próprio quintal, mas é provável que esteja coberta de capim”.
Ainor Lotério, circulando entre a plateia e se movimentando no palco, entre falas e música, lembrou ainda que é necessário criar UM MOMENTO PARA O “DEVER DE SENTAR JUNTOS E CONVERSAR”:
1-preocupar-se para além de comer e beber
2-falar de vida e saúde, evitando o consumismo
3-iniciar e terminar com orações
4-relembrar momentos marcantes
5-momento para conversa do casal
6-dar valor às coisas da terra
7-passar legado aos filhos, netos etc.
Finalizando a palestra ele cantou com as mulheres uma música com o refrão abaixo:
/:A FELICIDADE ESTÁ, MULHER, NAS COISAS SIMPLES DA VIDA, QUE FORTALECEM TUA ALMA, TRAZEM PAZ E HARMONIA. :/
Este encontro, organizado e mobilizado pela Epagri-Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de SC, em cooperação com as Prefeituras Municipais do Vale do Itajaí e SENAR-Serviço Nacional de Profissionalização Rural/SC, através do Sindicato dos Produtores Rurais de Ilhota, envolveu 13 (treze) municípios, onde a Prefeitura Municipal anfitriã deu total apoio.
O objetivo (dum encontro como esse) é a integração, troca de informações e experiência entre as participantes, bem como valorizar a mulher agricultora perante à sociedade, promovendo a autoestima e motivando para melhoria da qualidade de vida e bem-estar pessoal”, explica Kátia M. Zimath de Mello, extensionista social da Epagri.
A programação incluiu duas palestras, apresentações culturais e feira de produtos locais (artesanato como bebidas, biscoitos, conservas, pijamas, lingeries, entre outros).
A nutricionista da Epagri Cristina Ramos Callegari fala sobre “Nutrição e cultura: diversificando a alimentação com plantas”.
Contato: Ainor Francisco Lotério – www.ainor.com.br; contato@ainor.com.br; (47)0999675010
YouTube player

Galeria de fotos do evento

Palestra: “Motivação e Sensibilização para a Longevidade Humana” (3º ENAB – Encontro Nacional dos Aposentados do Banrisul).

YouTube player
A “MOTIVAÇÃO E SENSIBILIZAÇÃO PARA A LONGEVIDADE HUMANA” se faz necessária especialmente nesse tempo de desisolamento, pós-pandemia, pois os idosos muito sofreram com esse drama de saúde pública, uma vez que são pertencentes a uma faixa etária bem vulnerável em termos de saúde pública.
No viés desse tema, também foi contemplada a alegria de viver e a sabedoria de envelhecer. Os mais velhos devem apresentar à sociedade sua visão positiva do envelhecimento, de modo que os jovens fiquem motivados ao envelhecimento saudável. Assim, propomos um certo protagonismo e envelhecimento ativo no mundo atual, mudando atitudes negativas a respeito do envelhecimento, fazendo cessar a visão da “idade do condor” (dor aqui, dor ali, esquecimento e abandono) para um leque de atitudes comportamentais positivas na terceira idade.

“O fato é que a longevidade deve ser encarada como uma busca ativa da felicidade e não de uma visão mórbida relativa ao final da vida. Como fazer isso?”

Vejamos as proposições colocadas no texto abaixo, bem como as cenas (fotos e vídeos) que traduzem e explicitam os postulados simples aqui defendidos pelo Prof. Ainor Francisco Lotério, um defensor e ser vivente da terceira-idade, uma vez que passou dos sessenta anos de idade.

YouTube player

YouTube player

O CONTEÚDO COMENTADO E BÁSICO LEVADO NA PALESTRA:

– Conceito positivo e ativo de envelhecimento, orientado ao desenvolvimento (consciência coletiva para investir e valorizar).
– Motivação para a alegria (enquanto contentamento produtivo) de viver todas as idades, dizendo ao mundo que viver vale a pena (“os testados e aprovados”).
– Valorização da jornada, homenagem pelo legado e motivação humana intrínseca e extrínseca: não se pode ser novo fisicamente o tempo todo, mas se pode estimular todas as gerações a bem viver sempre.
– Assistência, autorrealização e dignidade humana: o valor da tradição, da atualização e da compreensão da jornada da vida nos tempos atuais.
– Motivando reflexivamente sobre as saídas físicas, culturais, educativas e inclusivas com vistas à longevidade humana com vida de qualidade.
– Reflexão sobre a vida, levando em conta o que há de mais valioso, a verdadeira alegria. Isto é, a alegria de uma existência que fale ao mundo que viver vale a pena.
– Abordagem sucinta sobre o eterismo (discriminação, o preconceito e a aversão contra pessoas por conta de sua idade avançada).
– Dinâmicas de interação, musicalização e resgate cultural das épocas vividas, considerando as pontas da vida (o viver cultural e musical contendo as lembranças e experiências da infância ao envelhecimento.
– Ciclomotivação: a motivação associada ao equilíbrio, atividade, direção, retórica e interação simultânea com a plateia.

Galeria de fotos do evento

Cursos para Professores do Programa Juventude Cooperativista Catarinense – DOUTRINA E EDUCAÇÃO COOPERATIVISTA (Sicoob Crediaraucária)

Os Cursos versaram sobre COOPERATIVISMO – a cooperação como forma de construção das finanças pessoais e familiares e a sustentabilidade comunitária.

Foram realizados para professores de escolas de Alfredo Wagner e Rancho Queimado, Estado de Santa Catarina, envolvendo as seguintes Escolas: EEB Silva Jardim – Centro/Alfredo Wagner, EEB Passo da Limeira/Alfredo Wagner e EEB  Marilda Lênia Araújo/Rancho Queimado.

Nessa etapa dos cursos, de acordo com parceria cooperativa entre o SICOOB Crediaraucária e o SESCOOP-SC, os professores de escolas estaduais e municipais foram capacitados entendendo o cooperativismo como doutrina que coopera na construção coletiva das finanças, empreendedorismo pessoal, familiar e na sustentabilidade comunitária. Outro viés abordado considerou como a cooperação (em todos os setores) pode contribuir para que o desenvolvimento sustentável, seja ele financeiro, social ou até de empreendedorismo possa, de alguma maneira construir algo saudável. Dar razão e compreensão na construção dos três pilares como uma forma digna de vivência entre os seres humanos, olhando o desenvolvimento financeiro e o desenvolvimento sustentável no sentido amplo.

UMA DOUTRINA DE VALORES E PRINCÍPIOS PARA TODA A VIDA.

A cooperação como já sabemos possui vários significados, cada autor o aborda de uma forma, mas podemos afirmar que a cooperação é uma ação consciente entre indivíduos associados em busca de resultados para uma sociedade organizada. Para tal finalidade essencial (educativa e doutrinal)  propôs-se:
-Compreender o princípio da educação, formação e informação, desde sua origem ao contexto histórico e atual, bem como as concepções de educação para a cooperação;
-Discernir o que é doutrina cooperativista, a diferença entre educação e capacitação cooperativa, bem como suas aplicações e influências no contexto da ordem econômica e social;
-Entender o papel do Serviço Nacional de Formação Profissional do Cooperativismo no campo da educação e formação profissional cooperativista.

Demonstrou-se aos educadores, através da evolução social e econômica das cooperativas catarinenses e brasileiras, que o cooperativismo se constitui em uma das alternativas e formas mais avançadas de organização da sociedade, bem como uma filosofia de vida que influencia positivamente as relações pessoais, familiares, sociais, econômicas e sustentáveis.  Participar de uma organização que se baseia em valores e princípios morais e éticos e proporcionam oportunidades de estruturação de investimentos e geração de renda é fundamental para a construção coletiva das finanças pessoais e familiares, bem como da sustentabilidade socioeconômica.

Programa Jovens Cooperativistas Catarinenses nas Escolas

No contexto educativo do cooperativismo, conceituado como um movimento social e econômico, realizado entre indivíduos, que se baseia em uma visão colaborativa, o objetivo do programa é de fomentar alternativas e estratégias de fortalecimento do cooperativismo, por meio da preparação de indivíduos conscientes do seu papel para o desenvolvimento sustentável das cooperativas e das comunidades onde atuam.  As atividades realizadas são ministradas por instrutores capacitados para este fim de forma criativa e participativa. Este programa atende jovens, sócios e filhos de sócios que possuem interesse em continuar desempenhando as atividades no meio rural e nas cidades, desenvolvendo um papel de liderança em sua propriedade e na comunidade.

PROJETO DE VIDA NA ESCOLA: UMA LEITURA DESSA COMPETÊNCIA NO VIÉS DO COOPERATIVISMO?

Sabemos que a escola não é um lugar para transmitir às crianças apenas o conhecimento formal, nas áreas de exatas, humanas e biológicas. Porém, a educação, como um todo, vai muito além disso: as instituições de ensino têm como papel a formação de indivíduos e de cidadãos para o mundo. Diante dessa responsabilidade, discute-se um tema muito importante: a abordagem e construção de um projeto de vida na escola. O projeto de vida na escola é uma das competências (foco final) da Base Nacional Comum Curricular, BNCC, logo, é fundamental que as instituições (escolas, cooperativas etc.) saibam como trabalhar esse tema entre e com os educandos.  Assim, os educadores que participaram dos cursos foram instigados a perguntar aos alunos:

-Quais seus objetivos para esse ano (em diversas áreas da vida: pessoal, familiar, formação, profissão etc.)?
-De que modo pretende alcançar seus objetivos?
-O que espera dos professores e da escola no sentido de apoias o seu projeto?
-O que cada disciplina abordada na escola está ajudando ou pode ajudar no seu desenvolvimento?
-Qual tem sido o papel da sua família nesse sentido?

Também aos próprios professores uma pergunta foi feita: Quem acredita nessa base e está disposto a aplicá-la na orientação do projeto de vida dos estudantes (filhos e filhas da educação)?

Cabe aos pais, familiares e à sociedade encaminhar o projeto de vida dos seus filhos e filhas, num tempo em que as ofertas são múltiplas, porém, as certezas são poucas e as desorientações imensas.

Pais e educadores constantemente observam que há a necessidade de mais informações e propostas de encaminhamento profissional e vocacional dos jovens. Essa preocupação fez parte desses cursos.

 

Galeria de fotos do evento

Palestra na SIPAT-A ESSÊNCIA DO COOPERATIVISMO E SEU PODER DE TRANSFORMAÇÃO (SIPAT – Coop CERMOFUL).

Na Palestra — A Essência do Cooperativismo e seu Poder Positivo de Transformação, tópicos importantes, solicitados pela Cipa-Comissão Interna de Prevenção a Acidentes de Trabalho, foram observadas e trabalhadas pelo Prof. Ainor Francisco Lotério, como:
– Cooperativismo, doutrina que fortalece, educação que enobrece.
– Doutrina, educação e motivação Cooperativista.
– Cooperativismo: sucesso e realização inteligente.
Veja aqui o ambiente, cenário e disposição da palestra durante a apresentação realizada na abertura da Sipat 2022
Com uma dinâmica de apresentação envolvente e interativa, evocando valores e princípios cooperativistas de fortalecimento de laços de equipe e a inteligência coletiva, os seguintes aspectos foram ressaltados:
-Trabalhar de modo consciente e consistente a motivação dos Jovens, de modo a resgatar a disposição de servir com inteligência cooperativa, notadamente no trabalho de fornecimento de energia elétrica, conforme a visão, missão e valores da Cooperativa de Energia Elétrica de Morro da Fumaça-SC-CERMOFUL.
-Levantar um novo e entusiasmado ânimo produtivo e cooperativo entre os capacitados dos grupos, dando sequência à proposta formativa da cooperativa para este final de ano e os que se seguem.
-Exposição extremamente dinâmica, envolvente, consistente no conteúdo pertinente aos funcionários (considerando a cultura e atividades técnicas da região), bem como evocando a doutrina, valores, cultura e inteligência cooperativista.
Conforme o presidente em exercício da Cermoful, Marcos Paulo Bertotti Ferreira, a semana de prevenção de acidentes do trabalho é uma importante iniciativa para a segurança dos colaboradores. “Na Cermoful nós trabalhamos para uma prestação de serviço ao associado e pela segurança total para os funcionários. Trabalho seguro é fundamental no segmento de energia elétrica”, disse.

YouTube player

Palestra: CULTURA ORGANIZACIONAL E ESPIRITUALIDADE NA EMPRESA CONTEMPORÂNEA (CNAC)

Trata-se de uma palestra (tanto presencial quanto virtual) onde nos propomos a identificar as consistências e inconsistências nas conceituações de espiritualidade no campo organizacional contemporâneo. Foi realizada pela CNAC – Confederação Nacional de Auditoria Cooperativa, em parceria com a IN COMPANY Eventos e Treinamentos.

Porque estamos aqui e como enfrentar os desafios dos tempos atuais?

Visando responder à essa pergunta e outros questionamentos dos participantes, o conteúdo versou sobre o fato de que a espiritualidade é a crença em algo, a fé em uma entidade espiritual que, quando vivenciado (sem imposição ou pregação) nas organizações, proporciona bem-estar entre os colaboradores, tornando o trabalho menos oneroso e mais prazeroso. Todavia, necessário se faz internalizar nos indivíduos e na equipe que a vivencia da espiritualidade na organização não significa doutrinação, mas cooperação na diversidade.
Sabemos que o tema espiritualidade ainda é visto com certa desconfiança nos ambientes organizacionais, devido a associação da espiritualidade com religião e a certo fanatismo e pregação pouco fundamentada.

Como o profissional de hoje pode desenvolver a sua espiritualidade independente de sua religião?

1.Buscar um equilíbrio emocional nas suas ações diárias.

2.Desenvolver a sua fé com atitudes verdadeiras e coerentes.

3.Viver mais em harmonia com todos a sua volta

4.Praticar o Espírito de Equipe …

5.Verificar onde estamos falhando e o que nos falta para termos mais sucesso pessoal e profissional.

6.Harmonia “oracioal” (íntimo e universo). E vale apenar lembrar que a oração diária, feita do seu íntimo, também ajuda e muito o ser humano viver em total harmonia consigo mesmo, com Deus e com o universo a sua volta.

7.CONHECER E PRATICAR OS VALORES E PRINCÍPIOS COOPERATIVISTAS.

“Um ambiente organizacional mais saudável, no qual o trabalho alimenta o corpo, a alma e o espírito do indivíduo, pois ““todos os dias nos vemos surpreendidos por esse mundo mutante e nos sentimos traídos, pelo fato de não ser tudo estável, com cada coisa no seu lugar, como antigamente”(Moggi e Burkhaard)“, o que nos causa insegurança e cansaço, razão pela qual nos é apropriada a buscas de apoio nos valores da espiritualidade, ou seja, na subjetividade das pessoas e da comunidade empreendedora.

“A Cultura Organizacional é o espírito humano da empresa contemporânea e é um recurso diferencial e estratégico na busca de competitividade, que define como a sua empresa se posiciona e se diferencia no mercado, sua condição do tempo atual (entender o que é e como funciona, identificar os tipos presentes na empresa e promover mudanças para fortalecê-la). É ainda o modo de viver, os comportamentos, tradições e conhecimentos, a linguagem, comidas, religiões, música, artes, vestimenta, etc., os símbolos, significados e valores (informais e regras), a influência no cuidar, cultivar, responder e crescer, o conjunto de artefatos e elementos materiais e as interações sociais (intergeracional)

Desde a Revolução Industrial somos bombardeados com a mensagem de que para sermos pessoas felizes, bem sucedidas e plenas, devemos ganhar muito, consumir muito, primar pelo lucro, explorar o outro (mesmo que pareça inocente) etc. Porém, a consciência de que somos uma casa comum e que um ambiente de fraternidade é mais fortalecedor e produtivo, renova-se a busca pela espiritualidade. “Nos últimos anos, um momento coletivo promove um olhar de olhar menos atento e autocentrado, capaz de enxergar a nossa última relação com o mundo e com as pessoas de nossa maneira mais eficiente.”

Essencialmente, a espiritualidade deve abordar os princípios e valores que regem a conduta humana no contexto da organização (empresa e empreendimento). Nesse âmbito entram: o propósito da empresa contemporânea; a inspiração da confiança da sociedade no cooperativismo; a missão de realizar a prestação de serviços de auditoria com excelência, contribuindo para o aprimoramento das linhas de gestão e o fortalecimento dos negócios do cooperativismo; a visão como necessidade de ser reconhecida pela qualidade e credibilidade na prestação de serviços de auditoria para as organizações; os valores (ética, profissionalismo, comprometimento, reconhecimento, solidariedade, transparência, cooperação, honestidade, qualidade, entre outros). 

A espiritualidade deve ser entendida como a crença em algo, seja natural ou sobrenatural, quando fornece ao sujeito uma orientação moral sobre o que fazer diante de situações complexas, mas que cabe a ele decidir.

Essa espiritualidade tem uma consciência coletiva, cooperativa e se interessa pelo outro, levando a convivência e labor em espírito de equipe. Todo colaborador que desenvolve a espiritualidade, poderíamos dizer, tem facilidade para o trabalho com os outros, pois ninguém se basta a si, uma vez que nossa realização depende do outro, mesmo que seja par consumir o que produzimos, ler o que escrevemos ou ouvir o que falamos, etc.

A ESPIRITUALIDADE NA EMPRESA CONTEMPORÂNEA está presente naturalmente, respeita e adapta-se à diversidade de crenças, pois você não é um ser que controla plenamente suas gavetas, mas age com a consciência do arquivo todo. Aspectos subjetivos seguem da casa à empresa e a humanização e conformidade com nobres interesses conecta os sujeitos colaboradores às empresas. isso promove uma imagem social positiva focada no bem comum, fazendo com que ocorra integração e harmonia com a “casa comum”.

A espiritualidade na empresa contemporânea compreende: 

1.Experiência que transcende o processo de trabalho, proporcionando sentimentos de alegria e plenitude.

2.“Energia” que motiva e orienta os colaboradores da empresa

3.“Alma” da Empresa que se alinha a dos seus colaboradores

4.Cria conectividade e motiva a buscar valores e interesses

Alguns desafios para a implantação da espiritualidade nas empresas contemporâneas nos levam a entender que ela deve ser um caminho de aceitação das várias perspectivas de como cada um se relaciona com o metafísico e o energético:

1- Para alguns a espiritualidade se traduz na relação com uma força exterior.

2-Para outros se traduz na relação com instâncias mais profundas de si mesmo

3-Outros tantos navegam nessa discussão experimentando distintos olhares.

“EU SÓ NÃO QUERO CANTAR SOZINHO” – ESPORTE E EDUCAÇÃO ESPECIAL – APAE Camboriú-SC

Ao levar uma palavra de reconhecimento, incentivo ao investimento em educação especial e encanto pelos resultados obtivos, o Prof. Ainor Francisco Lotério cantou “EU SÓ NÃO QUERO CANTAR SOZINHO” (Um milhão de amigos, R. Carlos).

A APAE de Camboriú, Escola Alegria de Viver, participou do a disputa dos Jogos Escolares Paradesportivos de Santa Catarina – Parajesc e trouxe excelentes resultados, muita emoção, sentido de diversidade humana e provocou nas lideranças, pais e mães, educadores e educadoras, bem como na comunidade em geral um sentimento de profundo apoio a esses seres humanos que nos mostram o que é a palavra SUPERAÇÃO. Em razão disso e também do sucesso obtido, uma homenagem foi feita aos atletas (alunos apaeanos) que participaram da 22° Olimpíada Estadual das APAE’s e 11° PARAJESC.

Facilitar a compreensão da postagem.

O Parajesc é a principal competição do estado de Santa Catarina para jovens de até 18 anos e vale como uma classificatória para a etapa Regional das Paralimpíadas Escolares Nacionais, que reúne os estados das regiões Sul e Sudeste. 

Houve emocionante apresentação dos resultados e uma animada, inteligente e profunda homenagem aos medalhistas.  Foram 14 medalhas no PARAJESC e 08 nas Olimpíadas das APAE’s. Diretoria, professores, técnicos, voluntários, pais e amigos, bem como os poderes públicos (Prefeitura de Camboriú, Fundação Catarinense de Educação Especial e Governo Federal) estão de parabéns e, novamente, convocados a darem continuidade nessa jornada de educação, emoção e superação humana.  

O evento foi para comemorar os excelentes resultados, pois o esporte paraolímpico de Camboriú mostrou sua força e teve participação de destaque nessas Olimíadas, realizada em Lages, quando conquistou medalhas:  medalhas: 1 ouro: Atletismo (Daniel Dutra); 2 pratas: Bocha paraolímpico feminino e masculino (Annely Zoschke e Roni da Silva); 5 bronzes Atletismo (Rauny da Cruz com duas medalhas), Bocha Paraolímpica (João Pedro Dutra), Handebol Masculino (participação dos atletas: Rauny da Cruz e Daniel Dutra) e Handebol Feminino (participação das atletas: Carolaine Pereira, Pamela Neves, Pamela Viturino e Michelle Pereira); 10 ouros: Lançamento de dardo (Carlos), Lançamento de pelota (Carlos), Lançamento de dardo (Maxsuel), Salto em distância (Maxsuel), Corrida 800m (Maxsuel), Corrida 150m (Maxsuel), Arremesso de peso (João Telles), Lançamento de dardo (João Telles), Arremesso de pelota (João Telles) e Bocha/Bc3 (Cauan); 2 pratas: Corrida 60m (João Telles) e 1000m (Estevão); 2 bronze Corrida 2

“Ao considerar que a escola é um es paço de socialização, conhecimento e aprendizagem, seus portões devem estar abertos à diversidade, —
ao encontro, ao compartilhamento de ideias e à oferta de oportunidades iguais de realização do potencial humano”, diz o texto da Política de Educação Especial levada a efeito para Fundação Catarinense de Educação Especial em Santa Catarina (FCEE).

“Tudo nos encanta, especialmente quando há empenho por parte da comunidade e dos órgãos de governo que têm o dever para com essa atenção especial” disse o Prof Ainor Francisco Lotério ao proferir sua mensagem no evento, ele que é um dos fundadores da APAE-Associação de Pais e Amigos da Escola Especial de Camboriú.

Todavia, nossa gratidão a todos.